Autoridades religiosas de PG comentam decisão que impede reabertura de igrejas

  • 29/04/2020
Autoridades religiosas de PG comentam decisão que impede reabertura de igrejas

Na manhã desta quarta-feira (29), o prefeito Marcelo Rangel anunciou que a Prefeitura Municipal e o Ministério Público do Paraná (MPPR) não chegaram a um acordo, e igrejas e áreas comuns de condomínios devem permanecer fechados. De acordo com Rangel, todas as liberações para o retorno às atividades estão sendo tomadas em conjunto com o MPPR e profissionais da saúde.

“Ontem (28), nós tivemos uma reunião com o Ministério Público, para permitir a reabertura de academias e galerias comerciais, mas não chegamos a um denominador comum em relação aos condomínios e às igrejas”, disse o prefeito.

Sobre a reabertura de igrejas, Rangel comentou: “As igrejas são problema um bem sério, porque fazer um culto ou uma missa para cinco ou dez pessoas não faz sentido. Em compensação, mais do que dez pessoas o risco [de contaminação pelo novo coronavírus] começa a ficar muito mais acentuado”, justifica. Ele acrescenta que, mesmo com o distanciamento dentro da igreja, as pessoas vão entrar e sair pelo mesmo lugar, gerando aglomerações.

Autoridades religiosas comentam a decisão

Em conversa com o D’Ponta News, o pastor Marcelo Pelissari, presidente da Associação dos Ministros Evangélicos de Ponta Grossa (AME), disse que a maioria dos pastores é favorável ao retorno das atividades seguindo as normas de segurança e higiene. Pelissari ainda relata que serão levadas ao prefeito novas diretrizes por parte da AME para que a reabertura possa ser estabelecida.

“Acredito que teremos um encontro com o prefeito para que possamos levar novamente uma série de garantias que possibilitem a reabertura. Hoje, na cidade, cerca de 70% dos pastores são favoráveis à reabertura das igrejas”, comenta. O pastor ainda aponta as dificuldades que alguns colegas enfrentam com a suspensão das atividades; “Muitas igrejas evangélicas, sobretudo aquelas menores, dos bairros, estão enfrentando dificuldades, pois as igrejas vivem de doações. Ouvi diversos relatos de outros pastores nesse sentido”, completa.

Já a Diocese de Ponta Grossa, comandada pelo bispo Dom Sérgio Arthur Braschi, informou ao D’Ponta News que segue no aguardo das autoridades oficiais. “Sobre as atuais medidas, Dom Sérgio aguarda as definições dos órgãos oficiais de saúde e do Ministério Público para tomar sua decisão. Afinal as orientações são atualizadas a cada semana”, conclui a assessoria da Diocese.

Por Matheus Fanchin | Foto: Danilo Wiedermann

+ Notícias