“A pior parte de tudo eu não vi porque estava desacordado”. Veja a entrevista com o caminhoneiro de PG que venceu a Covid-19

  • 22/05/2020
“A pior parte de tudo eu não vi porque estava desacordado”. Veja a entrevista com o caminhoneiro de PG que venceu a Covid-19

Ciro Zimer passou por um dos piores momentos da vida depois que foi diagnosticado com a Covid-19 no final do mês de abril, em Ponta Grossa. O caminhoneiro de 43 anos ficou mais de 28 dias internado no Hospital Universitário Regional, 20 deles entubado e inconsciente na Unidade de Terapia Intensiva. Diferente dos mais de 20 mil brasileiros que perderam a batalha para o coronavírus, Ciro ganhou uma nova chance de viver ao se recuperar da doença no último sábado (16).

O Hospital Universitário de Ponta Grossa comemorou a recuperação de Ciro e uma medalha foi entregue como símbolo da vitória. Em uma entrevista exclusiva ao portal D’Ponta News, o caminhoneiro que venceu o coronavírus relatou como foi ter passado por este período. “Desde o começo do ano, quando tudo começou, eu me cuidei. Não tenho nem ideia de como peguei [o vírus]“, relata.

OS PRIMEIROS SINTOMAS E A BUSCA POR AJUDA

Ciro conta que mesmo se sentindo mal, levou ao menos 7 dias para buscar ajuda. Ele não imaginava que estava infectado pelo coronavírus. “O primeiro sintoma que eu senti foi um cansaço. Era muito cansaço para pouco esforço. Foi aí que eu percebi que tinha algo errado. Mesmo assim, fui mais uma semana, até que procurei ajuda”. O caminhoneiro relata que teve sintomas diferentes dos convencionais. “Eu não tive gripe e nem sintomas de gripe. No dia que eu fui na UPA [Unidade de Pronto Atendimento] eu estava com febre. Foi aí que eles me encaminharam para o Hospital Universitário Regional e me internaram. Eu fui saber 22 dias depois que eu estava com o coronavírus”, revela.

Ciro ficou aproximadamente 20 dias entubado na UTI especializada em tratamento da Covid-19. Outros 7 dias ele permaneceu em tratamento intensivo, porém acordado. “A gente nunca imagina passar por isso. Fui consultar e saí de lá direto para a UTI”.

A BATALHA CONTRA O VÍRUS

Foram mais de 28 dias no Hospital lutando contra um vírus que não tem vacina e que mata milhares no mundo todo. “A pior parte de tudo eu não vi porque eu estava desacordado. Eles estavam entrando em contato constante com a minha família. Eu não sabia o que estava acontecendo. A minha esposa sofreu bastante, porque ela me levou na UPA e teve que ficar isolada por 14 dias em casa, sozinha. Ela recebia notícias que eu não estava melhorando. Para ela foi muito difícil”, conta.

DOIS CAMINHONEIROS RECUPERADOS E UM CHURRASCO MARCADO

Na mesma Unidade de Terapia Intensiva havia mais um caminhoneiro infectado. Trata-se de Dimas.Os dois conversaram depois que saíram do Hospital e marcaram uma confraternização, para comemorar a vida. “Eu não conheço ele pessoalmente. Nós ficamos na mesma UTI. Ele me viu, mas eu estava desacordado. Quando ganhamos alta, nós conversamos por chamada de vídeo e já marcamos um churrasco para depois que tudo isso passar”,

Ciro deixou um recado para que os caminhoneiros redobrem os cuidados. “Todos podem pegar este vírus. Desde o caminhoneiro até os trabalhadores que limpam as ruas. Se não se cuidar, vai pegar. O caminhoneiro tem contato com muita gente, está em vários lugares. É preciso se cuidar”, alerta.

UMA NOVA VIDA E O RECONHECIMENTO

O caminhoneiro recuperado da Covid-19 foi presenteado com uma medalha, recebida das mãos do vice-reitor da Universidade Estadual de Ponta Grossa, mas para Ciro, quem merece este trunfo são os profissionais que lutam diariamente pela vida. “A medalha significa a dedicação do pessoal do Hospital, da moça da limpeza ao médico. Quem merece essa medalha é o pessoal da saúde. Eu dedico para eles. Se existe anjo na terra, com certeza esses anjos são os profissionais da saúde”, elogia. “Eu quero agradecer a dedicação deles, o esforço que eles fazem. É passando um dia no hospital para você dar valor na vida. Eles trabalham e se dedicam demais. Eles fazem de tudo para salvar a gente. Só tenho gratidão!”.

ALERTA

Ciro afirma que se pudesse teria pedido ajuda antes e, quem sabe, evitado ter passado por todo este período na UTI. Contudo, ele alerta à população. “Eu demorei para pedir socorro. Qualquer sintoma busque rápido ajuda para não passar o que eu passei. Tem que se cuidar. Máscara é ruim de usar mas é o que vai te proteger. O coronavírus existe e não é fácil. Não desejo isso para ninguém”, finaliza.

Texto: Igor Rosa | imagem: HU-UEPG

Veja a entrevista exclusiva na íntegra com o caminhoneiro.

Ao Vivo: Caminhoneiro recuperado da Covid-19 fala sobre os dias que passou na UTI – 22/05/20

Ao Vivo: Caminhoneiro recuperado da Covid-19 fala sobre os dias que passou na UTI

Posted by D'Ponta News on Friday, May 22, 2020

Veja o vídeo que mostra o momento em que Ciro Zimer recebe alta do Hospital Universitário de Ponta Grossa.

+ Notícias