Vídeo ‘Alerta Covid-19’: O uso da dexametasona no tratamento do coronavírus

  • 30/06/2020
Vídeo ‘Alerta Covid-19’: O uso da dexametasona no tratamento do coronavírus

Na busca pela cura da Covid-19 diversos remédios apareceram como possíveis tratamentos para a doença. O mais recente é a dexametasona, um corticoide sintético de alto poder anti-inflamatório e imunossupressor. De acordo com estudos, o fármaco teria reduzido a mortalidade em pacientes em respiradores em até um terço.

Para falar mais sobre o medicamento o ‘Alerta Covid-19’ conversou com Bruno Minozzo, professor universitário e graduado em Ciências Farmacêuticas.

Minozzo lembra que a dexametasona já é conhecida há bastante tempo e utilizada no tratamento de uma série de doenças. No caso da Covid-19, ele afirma que o uso da substância era um assunto que gerava debates. “O uso de corticoides nessa situação permanecia controverso. Algumas pessoas defendiam, enquanto outras não acreditavam que esse medicamento deveria ser utilizado”, explica.

No entanto, um estudo recente desenvolvido no Reino Unido, o Recovery, mostrou que o fármaco pode trazer benefícios para determinados pacientes infectados pelo novo coronavírus. “35% dos pacientes em estado mais grave tiveram redução de mortalidade. Houve também redução de mortalidade nos pacientes que tinham o grau da doença mais avançado, porém não precisaram do suporte de ventilação mecânica”, conta o farmacêutico. No estudo foram analisados cerca de 2 mil pacientes infectados, com média de idade de 66 anos, sendo que mais da metade eles possuía alguma comorbidade.

Mas o professor alerta que casos mais leves da doença não apresentaram melhoras com o uso da dexametasona. “Por isso não adianta as pessoas irem até a farmácia, assim como já fizeram com outros medicamentos testados, esgotar os estoques porque ela não funciona nos casos mais brandos”, esclarece. Minozzo ainda lembra que o remédio é tarjado e só pode ser vendido sob prescrição médica.

Hidroxicloroquina

O farmacêutico também afirma que a dexametasona e a hidroxicloroquina não possuem nenhuma similaridade. “São coisas totalmente distintas. Hidroxicloroquina e cloroquina são medicamentos que também podem ser utilizados como imunossupressores, dessa forma eles compartilham essa ação, entretanto são substâncias totalmente diferentes” explica.

Ele também alerta para possíveis reações adversas à dexametasona. “Mesmo em doses baixas esse medicamento pode provocar efeitos colaterais, especialmente em pacientes diabéticos em que uso de corticoides pode aumentar a glicemia, causando um prejuízo no controle da doença”, complementa.

‘Alerta Covid-19’ é um projeto independente, que conta com o apoio da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, e pode ser reproduzido livremente pelos meios de comunicação (textos e vídeos).

Assista ao vídeo:

+ Notícias