Exclusivo: Liminar suspende contratação de Ecco Salva, empresa que assumiria gestão operacional SAMU em PG

  • 05/08/2020
Exclusivo: Liminar suspende contratação de Ecco Salva, empresa que assumiria gestão operacional SAMU em PG

A polêmica envolvendo o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Ponta Grossa ganhou mais um capítulo. Na tarde desta terça-feira (04) a empresa OZZ Saúde, que realizava a gestão operacional do SAMU na cidade, teria recebido um notificação que deveria encerrar a prestação de serviços na mesma noite, às 23h.

No entanto, a nova empresa contratada, via pregão eletrônico, Ecco Salva, não compareceu às bases para assumir os atendimentos, deixando a população desassistida. A OZZ Saúde emitiu uma nota onde afirma que a Ecco Salva não possui capacidade técnica para assumir a operação. “A partir das 23h teremos que parar nossas operações e entregar nas mãos de uma empresa que não comprovou a capacidade de fazer o trabalho e atender a região de Ponta Grossa e Campos Gerais, que soma cerca de um milhão de pessoas. Era uma empresa que não estava nem sendo considerada na disputa da licitação, pois não entregou os documentos exigidos no edital. Temos grande preocupação pela população da região que terá esse tipo de atendimento em meio à pandemia que estamos passando”, comenta Eduardo Zardo, diretor Comercial da OZZ Saúde. A empresa registrou boletim de ocorrência para noticiar a desassistência dos municípios.

A contratação da empresa SALVA já foi suspensa por decisão em Mandado de Segurança ainda durante a madrugada, e na tarde desta quarta-feira (05), o juiz de direito Gilberto Romero Perioto assinou uma liminar suspende a contratação da Ecco Salva e estabelece que o CIMSAMU, consórcio intermunicipal responsável pela contratação, retome o processo licitatório. Até uma nova licitação, a OZZ Saúde fica responsável pela pela prestação dos serviços nas cidades atendidas pelo CIMSAMU. A multa em caso de descumprimento é de R$ 10 mil por dia.

Confira a liminar

+ Notícias