Sábado, 31 de Julho de 2021
foto: Clebert Gustavo

Alegra investe R$ 1,8 milhão em reciclagem animal

Tendência nacional, processo movimentou R$ 8,3 bilhões em 2020 e totalizou 13,5 milhões de toneladas de resíduos transformados
21/06/2021 às 09:35

Na indústria frigorífica, o pensamento do químico francês Lavoisier de que “nada se cria, tudo se transforma” é uma realidade presente. Dentro da reciclagem animal, ramo que converte em novos produtos itens como sangue, gordura e ossos descartados pela cadeia da pecuária, 13,5 milhões de toneladas de resíduos foram transformadas somente em 2020, de acordo com a Associação Brasileira de Reciclagem Animal (ABRA). No Paraná, a indústria de carne suína Alegra aderiu ao projeto.

Além do benefício ambiental, ao evitar o descarte desses resíduos em aterros sanitários, a reciclagem animal também é uma forma rentável de reaproveitamento, pois seus produtos têm valor e importância no mercado. Em 2020, segundo a ABRA, o setor movimentou R$ 8,3 bilhões.

Na prática

Na Alegra, por exemplo, a reciclagem animal foi a solução encontrada para o descarte do sangue dos animais que passavam pelo abate. De acordo com o gestor de Project Management Office (PMO) da Alegra, Fernando Garcia Persoli, a produção de farinha de sangue se tornou um formato viável para a empresa. “A farinha de sangue é utilizada para alimentar peixes, aves e outras espécies não ruminantes, então é uma saída sustentável para um resíduo que antes era descartado sem reaproveitamento”, explica.

Para a implementação do projeto, o investimento será de R$ 1,8 milhão. “O descarte do sangue sempre foi um problema a ser resolvido, pois essa operação gera um custo para a empresa. E, nesse caso, criar a estrutura e passar a aproveitar esse resíduo em uma solução sustentável, limpa e ainda rentável justifica o investimento e também o esforço para internalizar esse processo”, conta.

da assessoria