Paraná reforça orientações para combater o greening na citricultura | D'Ponta News - Notícias do Paraná - Jornalismo sério para leitores exigentes!
Domingo, 25 de Fevereiro de 2024

Paraná reforça orientações para combater o greening na citricultura

2023-11-29 às 18:23
Foto: Jaelson Lucas/Arquivo AEN

Representantes da Câmara Técnica de Combate ao HBL, doença que vem preocupando os produtores de citros no Paraná, estão expandindo as atividades do Plano de Ação para conter o avanço da doença.

As metas do Plano de Ação incluem atividades na área da comunicação, para que as informações sobre o combate à doença sejam bem disseminadas no campo; proibição do comércio irregular de mudas cítricas, que são vias de disseminação de pragas e fomentam a implantação de pomares sem acompanhamento técnico adequado; o controle do inseto vetor Diaphorina citri; o levantamento da incidência de HLB; e a eliminação de plantas doentes.

Na última semana, o plano foi apresentado a produtores e lideranças de Mauá da Serra pelo coordenador do Programa de Certificação, Rastreabilidade e Epidemiologia Vegetal, Juliano Galhardo. “Esse documento lista ações até junho de 2025 que devem envolver governo estadual, prefeituras, produtores, entidades, cooperativas e indústrias”, disse.

O HLB ou greening dos citros é uma praga severa, de rápida disseminação e sem controle. Ele afeta seriamente as plantas cítricas, principalmente devido à morte prematura de planas dos frutos, que resulta em redução da produção.

O gerente de Sanidade Vegetal da Adapar, Renato Young Blood, explica que a citricultura tem alta relevância econômica e social para o Estado, em particular em municípios das regiões Norte e Noroeste. “Essa doença não tem tratamento e o controle precisa ser preventivo. Os citricultores precisam se conscientizar da necessidade da eliminação das plantas cítricas com HLB, do controle efetivo do inseto vetor e da eliminação sistemática de plantas doentes”, disse.

A área ocupada pela citricultura no Paraná é de aproximadamente 29 mil hectares, sendo 20,5 mil hectares de laranjas, 7 mil hectares de tangerinas e 1,5 mil hectares de lima ácida Tahiti, segundo dados de 2022 do Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP), compilados pelo Departamento de Economia Rural (Deral).

Ação antecipada

Mesmo antes da oficialização do Plano de Ação, técnicos do Sistema Estadual de Agricultura (Seagri) estão trabalhando para orientar os produtores. É preciso evitar a compra de mudas clandestinas, que representam riscos para os pomares, eliminar as plantas doentes e fazer o controle do inseto com orientação de um técnico capacitado. Esse controle inclui a adoção de inseticidas químicos e biológicos com eficiência comprovada.

Além disso, a boa adubação, irrigação e cobertura vegetal aceleram o desenvolvimento da planta e reduzem a exposição, pois a transmissão é mais frequente em brotos do que em folhas maduras.

Neste segundo semestre, a Adapar, o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná Iapar-Emater (IDR-Paraná) e a Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab) também publicaram uma Nota Técnica que orienta a sociedade e os diversos segmentos da cadeia produtiva da citricultura sobre a gravidade da doença, a obrigatoriedade no cumprimento da legislação fitossanitária vigente e sobre a adoção rigorosa das medidas técnicas para enfrentamento.

Em agosto, aconteceu uma operação para baixar a incidência do greening com 40 servidores da Adapar envolvidos diretamente nas ações em mais de 300 pontos georreferenciados de 13 municípios. O trabalho foi feito tanto em pomares comerciais quanto em propriedades rurais e urbanas com frutas para consumo familiar.

Redução de produção

No Brasil, a bactéria Candidatus Liberibacter asiaticus (CLas) é a principal causadora do HLB. A doença afeta plantas de praticamente todas as espécies cítricas. Os frutos ficam menores, deformados, podendo apresentar sementes abortadas, açúcares reduzidos e acidez elevada, o que deprecia o seu sabor, diminuindo a qualidade e o valor comercial, tanto para consumo in natura como para processamento industrial.

A doença também causa a senescência de todas as partes da planta cítrica, o que pode levar à morte precoce, reduzindo a vida útil dos pomares. Praticamente todas as espécies e cultivares comerciais de citros são sensíveis ao greening, independentemente do porta-enxerto utilizado.

da AEN