Quinta-feira, 07 de Julho de 2022

Caso Daniel irá a júri popular com sete réus

29/02/2020 às 15:12

Edison Luiz Brittes Junior e mais seis réus no processo do assassinato do jogador Daniel Correa Freitas serão julgados por júri popular. A determinação foi proferida pela juíza Luciani Martins de Paula, da 1ª Vara Criminal, Júri e Execuções Penais de São José dos Pinhais, da região de Curitiba, na tarde desta sexta-feira (28). No entanto, ainda não há data definida para a realização do julgamento.

Além de Edison, que confessou ter matado Daniel, também respondem pelos crimes relacionados ao caso Allana Emylli Brittes, Cristiana Rodrigues Brittes, David Willian Vollero Silva, Eduardo Henrique Ribeiro da Silva, Evellyn Brisola Perusso e Ygor King. Cristiana, Allana e Evellyn não serão julgadas pelo crime de homicídio.

Veja por quais crimes os réus são acusados

Edison Brittes: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor e coação no curso do processo;
Cristiana Brittes: coação do curso de processo, fraude processual e corrupção de menor;
Allana Brittes: coação no curso do processo, fraude processual e corrupção de menor;
David Willian da Silva: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual;
Eduardo da Silva: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor;
Ygor King: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual;
Evellyn Brisola Perusso: fraude processual.

O Crime

Daniel foi encontrado morto no dia 27 de outubro de 2018 em um matagal de São José de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. Segundo informações do processo, antes de ser assassinado, o jogador esteve na festa de 18 anos de Allana, em uma casa noturna em Curitiba. De lá, ele saiu com amigos e a família da jovem para um after na casa dos Brittes, onde foi agredido e depois, levado para uma área rural no mesmo município. Daniel teve seu pescoço quase degolado e o órgão sexual decepado. Pai de Allana, Edison Brittes Jr. admitiu ter matado o jogador após a suposta tentativa de estupro de sua mulher, Cristiana Brittes.

Informações/Imagem: Tribuna do Paraná