Segunda-feira, 17 de Junho de 2024

COVID-19: 13 das 16 regiões de Santa Catarina estão em altíssimo risco de contaminação

Santa Catarina vive pico de contaminação por COVID-19
2020-11-28 às 12:13

Santa Catarina vive o pico de contaminação por COVID-19. Apesar da bandeira vermelha cobrir quase todo estado, as normas do governo são básicas e bem mais leves do que as decretadas no início da pandemia, em março. Em geral, os estabelecimentos permanecem abertos, mas com restrições de público. Cabe às prefeituras implantarem medidas mais rígidas para conter a doença. O estado intervém apenas se, após três semanas, as regras adotadas pela região não baixarem os números.

Nesta sexta-feira (27), a Prefeitura de Criciúma, no sul catarinense, decretou situação de calamidade pública diante do aumento de casos e lotação dos hospitais. A cidade de cerca de 217 mil habitante tem 1.321 residentes diagnosticados com o vírus neste momento. Além do afrouxamento de regras pelo governo, especialistas apontam o comportamento dos catarinenses como um dos principais fatores que levou à explosão de casos de Covid-19 no estado.

“No início, as pessoas tinham vergonha de dizer que pegaram COVID-19 porque isso estava associado à falta de responsabilidade e ao descuido. Com o tempo, veio a fadiga, e essa relação mudou. Hoje, a visão é de que é algo mais inevitável, de que a vida não pode mais parar, e de que as pessoas não terão sintomas graves, então vale a pena correr o risco”, diz a psicóloga Andrea Steil, integrante de um grupo de pesquisa na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) que avaliou o comportamento de pessoas diante do distanciamento social. O levantamento apontou que, entre março e setembro, caiu o índice de catarinenses que estão seguindo à risca o distanciamento social –eram 96% e passaram para 78%.

Para o cientista político da Univali (Universidade do Vale do Itajaí), Eduardo Guerini, o comportamento também é consequência da posição do governo. “Houve o relaxamento das medidas de contenção de aglomerações, especialmente durante os feriadões, pela pressão evidente do setor econômico que sobrevive de eventos e turismo.”

Projeto prevê que fechamentos por coronavírus em Santa Catarina sejam aprovados pelos deputados

Está pronto para ir à votação na Assembleia Legislativa (Alesc) um projeto que condiciona novos fechamentos por conta do coronavírus em Santa Catarina à aprovação dos deputados estaduais. O texto é do deputado Coronel Mocellin (PSL) e já passou por todas as comissões da Casa. O parlamentar defende que o texto vai evitar o “lockdown sem critério”.

Pela proposta, novos fechamentos de atividades essenciais por parte do Estado precisarão de relatórios fundamentados e autorização da Alesc. Mocellin diz que “o objetivo é evitar situações que acabaram quebrando muitos empreendedores, principalmente os pequenos. Uma quebradeira geral que gerou muito desemprego”.

Desde o começo da pandemia, os parlamentares aprovaram diferentes textos que consideram algumas atividades como essenciais nas situação da calamidade pública, o que as coloca dentro da lista dos setores mais imunes a eventuais restrições de fechamento.

Com informações: NSC e FolhaPress/Foto:  Divulgação Arteris/Balneário Camboriú