Padre Kelmon processa Igreja Ortodoxa e pede R$ 500 mil por danos morais | D'Ponta News - Notícias do Paraná - Jornalismo sério para leitores exigentes!
Sábado, 24 de Fevereiro de 2024

Padre Kelmon processa Igreja Ortodoxa e pede R$ 500 mil por danos morais

2023-03-21 às 09:23

O ex-candidato a presidente Kelmon Luis da Silva Souza (PTB), que concorreu nas eleições de 2022 como Padre Kelmon e se autoproclama sacerdote ortodoxo, está processando a Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia no Brasil por danos morais.

O político pede uma indenização de R$ 500 mil por danos morais e direito de resposta da instituição por causa de uma nota divulgada durante a corrida eleitoral em que a instituição afirma que ele não tinha qualquer vínculo com igrejas de comunhão ortodoxa.

No documento assinado pelo arcebispo Dom Tito Paulo George Hanna, a entidade também se disse preocupada com a apropriação de símbolos religiosos pelo político que “se autoapresenta como ‘padre Kelmon’ e ‘sacerdote ortodoxo’”, fazendo uso público de “insígnias próprias de nossa tradição siríaca ortodoxa”.

A nota cita como exemplo o eskimo, véu com cruzes bordadas usado sobre a cabeça que só os monges podem utilizar – que Kelmon exibiu em todos os debates presidenciais e que virou meme nas redes sociais. A igreja também afirmou, na ocasião, que o político não tinha qualquer vínculo com as igrejas irmãs da vertente siríaca.

Segundo o advogado de Kelmon, Diego Maxwell, o ex-candidato teve “sua imagem e sua dignidade abalada, tendo sido veiculado de maneira indevida a notícia de que era falso padre”.

Já a Sirian, conforme apuramos, ainda busca orientação advocatícia para lidar com a ação, já que a igreja nunca foi processada e nem sequer tem advogado constituído.

Conforme revelamos em agosto de 2022, quando Kelmon ainda era candidato a vice-presidente na chapa do PTB encabeçada por Roberto Jefferson, ele não integrava e nem fora ordenado pelas instituições ortodoxas tradicionais do Brasil.

O fato de ele reivindicar o título de padre causava inclusive desconforto na comunidade.

Leia o conteúdo completo do blog da Malu Gaspar, em O Globo