Quinta-feira, 25 de Abril de 2024

COVID-19: Conheça a rotina dos profissionais do Pronto Atendimento do HU-UEPG

2021-03-19 às 15:47

A madrugada do dia 15 de março ficou marcada na memória dos profissionais que trabalham na unidade de Pronto Atendimento (PA), do Hospital da Universidade Estadual de Ponta Grossa (HU-UEPG). Foi a noite da primeira pronação* em um paciente intubado. Naquele dia, o PA estava com ocupação de 725%, algo muito além do limite. A rotina dos profissionais do PA está sendo pesada, eles estão exaustos. Não tem nenhum super-herói ali, mas, no alto de suas humanidades, a frase que ecoa na mente de todos é a que move o trabalho diário: “ninguém solta a mão de ninguém!”.

Cristiano Moreira Pinheiro lembra da madrugada do dia 15. Em meio a uma rotina com várias intubações, acessos centrais e pequenas intercorrências, a equipe extubou o primeiro paciente no Pronto Atendimento que apresentou melhora, um fio de alegria em meio a uma noite que teria 17 paradas cardíacas e 4 óbitos. “Ninguém aguentava mais massagear e mesmo assim ninguém parava. Vi meus colegas chorando em cima de um paciente”. Nos 10 anos em que atua como técnico de enfermagem, Cristiano nunca havia presenciado uma situação de tamanho caos. “A gente se olhava e era visível a cara de espanto em todos”. Em Cristiano se inaugurou novos sentimentos no ambiente profissional que, segundo ele, são “uma mistura de medo e impotência, mas com a vontade de ir até o final”.

De janeiro até hoje (19), a equipe do PA atendeu 221 pacientes. O diretor técnico do HU, Ricardo Zanetti, também destaca o trabalho incansável dos profissionais do PA neste momento crítico. “Nós somos uma máquina de atendimento e no momento somos a segurança da população”. Com o recente fechamento de algumas unidades de saúde da cidade, Zanetti firma o compromisso do Hospital com a população.  “Somos todos cidadãos e o SUS tem que mostrar a que veio. As equipes estão firmes aqui”.

O PA conta atualmente com cerca de 60 profissionais, dentre médicos, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, residentes, enfermeiros, assistentes sociais, nutricionistas e dentistas. São plantões física e emocionalmente exaustivos. A enfermeira Carolina Carvalho Ramos relata o constante estado de vigilância em que os profissionais estão trabalhando. “Éramos acostumados a ter apenas 4 pacientes graves na sala de emergência, hoje vemos pacientes intubados e graves nos leitos de observação, sala de sutura, sala de medicação, todos totalmente dependentes de nós”. A responsabilidade de precisar cuidar de um número de pacientes muito maior do que antes traz o sentimento de frustração. “Ficamos frustrados por não conseguir fazer tudo o que gostaríamos de fazer, cuidar do jeito que gostamos e gostaríamos de cuidar, devido a quantidade de pacientes que temos”.

Carga

Com a super lotação e o aumento da carga de trabalho, os profissionais não podem parar, pois são mais pessoas dependendo de cuidados. A alta demanda exige sacrifícios e muitos precisam anular sua vida pessoal. “Deixamos nossa família em segundo plano para poder priorizar o familiar de alguém, queria muito que as pessoas soubessem disso, que estamos abdicando de tudo para poder salvar uma vida de alguém que não conhecemos”, salienta a técnica de enfermagem Veronica Rodrigues.

Não tem um plantão em que a enfermeira Fabíola Feltrin não escute de seus colegas o quanto não aguentam mais o cansaço, o desgaste e a preocupação com os pacientes, que estão chegando cada vez mais jovens. E em estados muito mais críticos. “Está cansativo, exaustivo, tanto emocionalmente quanto fisicamente. Não nos alimentamos direito, mal dá tempo de ir no banheiro”. E o descanso? Os profissionais sentam somente enquanto preparam mais tubos para coleta de exames de rotina. Não há uma pausa, pois nos últimos dias eles saem de uma emergência para outra, e muitos pacientes evoluem para a intubação. “Até a despedida de mais uma pessoa, a perda de mais um paciente”, lamenta.

Apoio

A UEPG e o Hospital Universitário adotam medidas para dar todo o suporte e apoio aos servidores que estão na linha de frente do combate à pandemia. Uma delas é a recente proposta do protocolo de escolha para pacientes com Covid-19. A medida deve amparar os profissionais da saúde, que não precisarão usar critérios subjetivos na decisão de atendimento a pacientes. Dessa forma, os atendimentos podem ser conduzidos de maneira ética, eximindo decisões emocionalmente exaustivas, de profissionais que já estão esgotados.

O reitor da UEPG, Miguel Sanches Neto, atesta o cuidado prestado aos profissionais.  “Neste momento em que cruzamos um ano de pandemia, e vivemos o maior número de mortes, os profissionais da saúde enfrentam todos os riscos para salvar vidas. Temos que tomar as medidas preventivas para ajudá-los nesta guerra contra a pandemia”, reforça.

Os profissionais têm auxílio de psicólogos que estão disponíveis todos os dias, nos plantões das 14h e 1h, e contam com um grupo no WhatsApp formado pela equipe. Além do apoio psicológico, grupos religiosos e sem fins lucrativos realizam ações, como a entrega de cartas, presentes e orações.  Entre a ajuda profissional e de grupos externos, o PA também procura se apoiar mutuamente.

Leticia Waselcoski, coordenadora do Pronto Atendimento, ressalta que a confiança entre os colegas faz a diferença na rotina de trabalho. Pela confiança que os profissionais depositam nela, Letícia dedica tempo em perceber as necessidades de cada um, para também oferecer apoio emocional.  “Tenho em mente que preciso ficar firme, para manter todos unidos. Coisas simples, como um bom dia com palavras de força, ajudam nas funções práticas”, explica.

O fisioterapeuta residente, Jeysson Rodrigues, também destaca a união de todos, como colegas de trabalho e como amigos. “Um ajuda o outro, aconselha, dá força quando o outro precisa e, particularmente, a fé em Deus tem me sustentado e motivado mais ainda a dar o meu melhor à beira leito”. A também fisioterapeuta, Magda Fornazari, conta que quando a ala começou a fica com super lotação de pacientes graves, a equipe adotou a frase que é sempre repetida: ninguém solta a mão de ninguém. A equipe se uniu por um bem maior, que é salvar o maior número de vidas. “Temos uma coordenadora que além de excelente profissional é um ser humano com um coração enorme, que está sempre do nosso lado para dizer que no final vai dar boa”.

Marcas

As máscaras e paramentação deixam marcas no corpo. Feitas para proteger da contaminação, é impossível sair do plantão sem ver os traços que os aparatos deixam. Além das marcas visíveis, as marcas emocionais ficam por mais tempo, mesmo não vistas a olho nu.

No plantão da noite anterior ao dia 15, a equipe admitiu um paciente jovem, de aproximadamente 40 anos, com sintomas gripais, porém sem a necessidade de suporte de oxigênio. “Esse paciente passou a madrugada inteira estável, apenas com algumas queixas de dor. Terminei o plantão com o paciente estável, imaginando que provavelmente quando eu retornasse, ele já teria sido transferido para a enfermaria”, conta Gabriela Barbieri Freitas, enfermeira do plantão da noite.  Quando ela voltou para o próximo plantão, foi informada que o paciente tinha acabado de ir a óbito. “Foi um momento de choque, eu e minha colega nos olhamos e falamos: ‘não é possível, não está certo isso!’. Demoramos uns 5 minutos para voltarmos à realidade”. Enquanto Gabriela estava fora, o paciente precisou de oxigênio, foi intubado, teve uma parada cardíaca e acabou falecendo. “Esse foi mais um dos pacientes, que com toda certeza eu jamais esquecerei o nome. Vai marcar a minha carreira, assim como dezenas de outros casos”, finaliza.

A última palavra de despedida dos pacientes com os familiares também emociona os profissionais. “Entregamos o celular para o paciente entrar em contato com a família e ali sentimos o quanto o paciente está estressado e com medo dessa situação”, conta Jefferson Lopes, enfermeiro do plantão diurno. Para o médico Willman Josviak, o momento da ligação dos pacientes para os familiares, minutos antes da intubação, é que faz cair o chão de todo mundo do PA. “Sabemos que a taxa de mortalidade pós-intubação é alta, o paciente sabe disso também, então presenciamos diariamente despedidas”, conta.

Ver o medo do paciente ao ser intubado é o que marca a rotina do residente e enfermeiro Antonio Filho Leal. “Eles choram desesperados sem saber se um dia irão acordar de novo, se despedem da família com uma chamada de vídeo, nos agradecem e suplicam para conseguirmos salvá-los, enquanto seguram nossa mão durante todo esse processo”. Leal completa que, mesmo após dias de tratamento, o desfecho para o paciente ainda pode ser desfavorável. “É aí que acontece outro momento muito difícil: levar o familiar para reconhecer o corpo e vê-lo desolado, sem poder tocar e dar um velório para seu ente querido. Perder nossos pacientes é a pior sensação que podemos sentir”.

Apelo

O último boletim, divulgado na tarde de ontem (18), mostrou uma ocupação de 575%, índice menor do que o registrado no dia 15, mas ainda muito alto, em comparação com o número de leitos. A vontade unânime de todos os profissionais é de que isso acabe logo. Gabriela Freitas faz seu apelo: “Lembrem dos pacientes que estão internados, que estão precisando da nossa assistência. Lembrem que nós somos humanos, que sofremos junto com as famílias, junto com os pacientes”. Fabíola Feltrin ressalta a exaustão: “Não sei até quando conseguiremos aguentar tudo isso, esse desgaste, até quando teremos emocional pra aguentar, o físico a gente até acostuma, mas de fato estamos exaustos”.

Mesmo no limite, o técnico em enfermagem Fabio Batista destaca que vai continuar na luta. “Ainda que sobrecarregados, temos uma boa equipe, unida e comprometida com o cuidado a quem precisar. Enquanto tivermos estrutura, estaremos lá tentando dar conta”.

*A pronação consiste em virar o paciente de barriga para baixo, para alívio da tensão e melhor ventilação pulmonar.

Da assessoria