Segunda-feira, 19 de Abril de 2021
foto: Clebert Gustavo

Egresso da UEPG desenvolve equipamento que inativa coronavírus

04/03/2021 às 11:06

O egresso da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e professor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Mário Lúcio Moreira, em parceria com os técnicos Cristian Dias Fernandes e Vinícius Nizolim Becker, desenvolveu uma torre para desinfecção de ambientes que é capaz de eliminar o coronavírus, responsável pela transmissão da Covid-19.

O aparelho é baseado no uso da radiação ultravioleta na região C, capaz de destruir a capa proteica e o material genético de qualquer tipo de vírus, assim como fungos e bactérias. Dentre os fatores que influenciam nessa ação, estão o tempo de exposição, a quantidade de energia e o comprimento de onda emitido. “A radiação UVC é a mesma que chega à superfície da terra e é bloqueada pela camada de ozônio. O que nós fazemos é utilizar lâmpadas que conseguem emitir uma luz que tem essa característica de energia na região C, com um comprimento de onda específico de 254 nanômetros, capaz de romper as ligações de RNA do coronavírus”, explica o professor Mário Lúcio Moreira.

Conforme o docente, quando a torre emite a sua dose de radiação, a capa proteica que fica em torno do vírus e se parece com uma coroa se rompe. Dessa forma, o coronavírus não consegue mais se reproduzir.  “Nas extremidades da capa estão as proteínas que são responsáveis por se ligarem às nossas células e permitirem que o vírus se reproduza. A radiação UVC quebra justamente essa molécula que recobre o vírus”, conta Mário.

Instalação

As torres de luz ultravioleta foram instaladas nos consultórios odontológicos da Universidade Federal de Pelotas, instituição onde o professor Mário Lúcio leciona, e está ajudando a proteger a comunidade atendida no local. “Nós instalamos as torres para desinfecção das clínicas de atenção à população e fizemos um treinamento prévio com os estudantes e professores do curso para a utilização do equipamento”.

A equipe já começou a segunda fase do projeto, com a adaptação completa de todo o prédio da universidade para a instalação das torres nas salas de aula. O local está passando por adaptações e adequações nas instalações para receber os equipamentos. “Nós estamos colocando na instituição, mas o projeto está disponível para ser utilizado por qualquer pessoa”, afirma Mário.

Cuidados

Embora os sistemas de esterilização por raios UVC sejam seguros, é necessário tomar cuidado para não causar danos às pessoas, já que a exposição do corpo humano à radiação pode danificar células e causar problemas oculares, de pele e disfunções no organismo. “É importante ressaltar que assim como a radiação atua nessa capa proteica do vírus, ela atua também na nossa pele, olhos e cabelos, por isso, durante a operação do sistema não pode haver nenhuma pessoa no ambiente”, esclarece o professor Mário.  “Todos os seres vivos que estiverem no ambiente serão afetados pela radiação assim como o coronavírus. Por isso, para atingirmos o alvo correto, devemos manter os cuidados necessários”, diz.

O pesquisador recomenda que o aparelho seja usado nas empresas no período da noite, horários de almoço, ou durante as trocas de turno, quando não há ninguém no local. “A torre pode ser instalada em salas de aulas e ligada nos momentos em que corre a mudança das turmas, quando a instituição possui o turno matutino e vespertino, por exemplo. Nós podemos utilizar também em aviões que fazem voos de longa duração e ficam em torno de uma hora em solo entre uma viagem e outra. Além de outros ambientes onde há um grande fluxo de pessoas, mas sempre nos horários em que esses locais estiverem vazios”, esclarece. O objetivo futuro da equipe é ampliar a utilização da torre para ambientes hospitalares, laboratórios e consultórios odontológicos do país, com a intenção de combater a Covid-19.

A ideia

O conceito e o desenvolvimento do aparelho surgiram durante a pandemia, quando a doença começou a se espalhar pelo mundo, e partiu da intenção do professor Mário em agradecer pelo ensino gratuito que recebeu ao longo da vida. “Eu queria retribuir de alguma forma a minha formação superior em universidades públicas. Estou falando tanto da graduação, como do mestrado, doutorado e pós-doutorado – inclusive parte dele fora do Brasil – e tudo financiado com recursos públicos. Eu achei que deveria contribuir e ajudar a sociedade nesse momento difícil”, conta.

O projeto surgiu de experiências observadas em outros países, conforme relata Mário. “A radiação UVC já é utilizada em muito lugares do mundo para a desinfecção de esgoto. Nesses casos, as estações de tratamento de esgoto usam a radiação para limpar a água, mas os ambientes são extremamente fechados. Pensamos em reproduzir o sistema para outros ambientes e começamos a fazer as pesquisas e os testes para colocar a ideia em prática”, relembra Mário. O aparelho desenvolvido pela equipe possui multipontos e ajuste de altura, o que garante melhor distribuição de luz no local a ser utilizado. Além disso, a torre lê a potência da luz e só desliga quando alcança a quantidade de radiação suficiente para destruir o vírus.

Pesquisas

A pesquisa durou cerca de oito meses com foco no desenvolvimento e caracterização da radiação para combater o coronavírus. Os testes foram feitos em diferentes condições, como regiões sombreadas ou com anteparos, com o objetivo de determinar o tempo de exposição necessário. “Nós percebemos que alguns sistemas já estavam sendo comercializados, inclusive para hospitais, de forma irresponsável. Tinham empresas afirmando resolver o problema com apenas 10 minutos de utilização dos equipamentos”. Com as pesquisas, a equipe conseguiu comprovar que poucos minutos de exposição não eram suficientes para alcançar as doses de radiação que inviabilizam o vírus.

Apesar do projeto ter sido desenvolvido especificamente para combater o coronavírus, o professor Mário destaca que o aparelho pode servir para desinfetar ambientes com outros tipos de vírus e bactérias. “A torres podem ser usadas em salões de beleza, por exemplo, para higienizar os instrumentos das manicures e pedicures. Os profissionais podem fazer a desinfecção via sistema fechado”, explica. A intenção dos pesquisadores é facilitar o acesso da sociedade ao equipamento para que ele sejam amplamente utilizado. “Nós não patenteamos a invenção para não gerar royalties e nem custos maiores. Queremos que a torre possa ser copiada e beneficie a população. Nós passamos todas as especificações e os cuidados necessários para quem quiser copiar e utilizar”.

Mário destaca a participação dos técnicos da Universidade, Cristian Dias Fernandes e Vinícius Nizolim Becker, no desenvolvimento da pesquisa e concretização do projeto. “As torres foram desenvolvidas a várias mãos e eu tive essa contribuição muito importante do Cristian e Vinícius durante todo o processo, sejam nos testes, na execução do programa de gerenciamento das torres de radiação ou na finalização do equipamento”, agradece Mário.

Da assessoria