Domingo, 17 de Outubro de 2021
foto: Clebert Gustavo

Coluna Draft: ‘Brasil – 2022, às vias de fato!’, por Edgar Talevi

29/09/2021 às 10:39

Brasil – 2022, às vias de fato!

Fernando Henrique Cardoso votaria em Lula, em um eventual segundo turno, em 2022? Os eleitores de João Doria, caso este não atinja o segundo pleito, iriam com Bolsonaro, absolvendo-o de todos os intempestivos e, ou, retóricos discursos? Haverá a consolidação de uma terceira via, como diriam os modernos outsiders?

Se as dúvidas movem o mundo, no Brasil elas fervilham à medida que as eleições ganham robustez na mídia e nas ruas. Como ponto de partida para este breve ensaio, proponho o pensamento Kantiano, que estabelece uma distinção entre os fenômenos e a coisa-em-si (noumenon), isto é, entre o que nos aparece e o que existiria em si mesmo.

Sendo assim, a fenomenologia da conjuntura política nacional estaria baseada em contingências, meras hipóteses, em articulações de bastidores e limitações retóricas que pouco acrescentam à agenda programática das pautas basilares da federação.

Se me permite o eminente leitor, voltemos ao tempo, em que o dualismo, quase místico e com discurso maniqueísta, por vezes niilista, das disputas ideológicas entre tucanos e petistas irrompiam universidades, igrejas, ruas, bairros e movimentos sociais, sempre em busca da perpetuidade de um establishment que hegemonizasse um partido no poder.

A década de 90 presenciou duas eleições tucanas, em primeiro turno, em oposição ao “marxismo” mal explicado às camadas mais populares. No entanto, a concentração de poder nas mãos do capital especulativo e o distanciamento em relação à população mais vulnerável levou o país ao advento de uma oposição menos “vermelha”, mais paz e amor, em que Lula, outrora derrotado, ascendeu, graças à inação de políticas públicas do PSDB.

Entrementes, a história dos anos petistas foi contada e recontada inúmeras vezes e por diversas vozes. E, é aqui que surge o fenômeno Jair Messias Bolsonaro. Fruto do antipetismo e da flagrante cooptação de empresas públicas ao jogo político, com intuito de se perenizar no poder, o Partido dos Trabalhadores deu voz e vez ao bolsonarismo.

Definamos, por fins didáticos, o termo “bolsonarismo”. Para Schopenhauer, o mundo tem duas realidades, a saber, uma o objeto, outra, o sujeito. Nisso reside o fato de que o objeto foi movido pela constante suíte da mídia em relação aos desmandos do PT, alavancando enorme vitrine de casos de corrupção. O sujeito, por sua vez, teve sua exploração nas pautas comportamentais, valendo-se, em Bolsonaro, da figura da personalização do bem e do Messias.

Não obstante, a oposição trafega por caminho tortuoso, ao medir forças pelo meio quantitativo, nas ruas, sem que haja um conteúdo programático nas reivindicações, senão somente a acusação de genocídio, que não servirá para adesão de novos adeptos. Sob esse ponto de vista, ao lançarem mão de trocas de farpas e discursos inflamados, apaixonados – patologicamente – e vazios de argumentos, quer sejam acusações de fascismo, de um lado, quer de comunismo, do outro, Lula ganha votos para Bolsonaro, à medida que Bolsonaro ajuda Lula, prescindindo do debate, em uma irônica demonstração de inabilidade política.

Ademais, vejamos: alguns deputados federais do centrão, mais especificamente os que compõem a base do PP, PL e Republicanos temem por sua reeleição, considerando desembarcar do governo Bolsonaro em 2022, citando o avanço da candidatura Lula, segundo recentes pesquisas. Traição? De jeito nenhum! Não se trai a quem nunca se amou; mera jogada eleitoral.

Mas, e quanto a uma especulada terceira via? Peguemos, por exemplo, o nome de Ciro Gomes, intelectual, progressista, auxiliado por seu mentor, João Santana. Trata-se de uma candidatura que ainda necessita de visibilidade e viabilidade no terreno da esquerda mais in natura, pois não se identifica com tal eleitorado, nem se daria ao galanteio do PT em um eventual apoio, no segundo turno.

João Doria, antes BolsoDoria, agora oposicionista, precisa garantir o apoio do partido contra as investidas de Eduardo Leite. Isso parece mais simples, mas a imagem de aristocrata parece não ganhar espaço junto ao eleitorado carente de populismo.

Sérgio Fernando Moro: tudo indica a possibilidade de uma disputa a uma vaga no Senado. Dificilmente será convertido a um partido para fins de Presidência da República.

Ao que nos resta pensar em como os extremos estão ganhando-conquistando espaço. Outrora PT/PSDB, agora Lula/Bolsonaro. O mesmo fenômeno do dualismo se repete às vésperas de uma eleição que, ao que parece, nem nasceu e já está velha.

Em parte, o PT personificou seu programa de governo em Lula, não cedendo espaço a outras novas lideranças, o que o torna assaz rejeitado por uma elite econômica. Bolsonaro, por sua vez, joga para o público, com pautas que em nada contribuem para resolver a fuga de investimentos do país e o crescente processo de desindustrialização. Isso somado, novamente, o dualismo Kantiano se cumpre: estamos à beira do colapso da democracia. Não a democracia do Estado Democrático de Direito, mas à margem da construção de uma arquitetura política palpável e popular.

Digamos, prezado leitor, que não estamos vivendo a própria essência da política. Experimentamos a cada dia o fisiologismo e o pragmatismo eleitoral. Até quando? Talvez a resposta esteja na evolução da democracia, mas esta fundamentada em projeto e execução, mediante arbítrio popular e ponderação dos três poderes constituídos pela carta magna.

Deste modo, fiquemos com o pensamento de Heidegger: “A liberdade é a própria essência da verdade”. Tirem-nos, portanto, senhores leitores, tudo, menos o poder da escolha, meio pelo qual seremos nós a adimplir o contrato social nas mais diversas esferas da vida da República.

 

Coluna Draft

por Edgar Talevi

Edgar Talevi de Oliveira é licenciado em Letras pela UEPG. Pós-graduado em Linguística, Neuropedagogia e Educação Especial. Bacharel e Mestre em Teologia. Atualmente Professor do Quadro Próprio do Magistério da Rede Pública do Paraná, na disciplina de Língua Portuguesa. Começou carreira como docente em Produção de texto e Gramática, em 2005, em diversos cursos pré-vestibulares da região, bem como possui experiência em docência no Ensino Superior em instituições privadas de Ensino de Ponta Grossa. É revisor de textos e autor do livro “Domine a Língua – o novo acordo ortográfico de um jeito simples”, em parceria com o professor Pablo Alex Laroca Gomes. Ao longo de sua carreira no magistério, coordenou inúmeros projetos pedagógicos, tais como Júri Simulado, Semana Literária dentre outros. Como articulista, teve seus textos publicados em jornais impressos e eletrônicos, sempre com posicionamentos relevantes e de caráter democrático, prezando pela ética, pluralidade de ideias e valores republicanos.