Coluna Draft: ‘Chafurdemos na linguagem’, por Edgar Talevi | D'Ponta News - Notícias do Paraná - Jornalismo sério para leitores exigentes!
Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2024

Coluna Draft: ‘Chafurdemos na linguagem’, por Edgar Talevi

2023-09-05 às 10:00
Foto: Reprodução

Chafurdemos na linguagem

 

Boa notícia é podermos saborear a Língua Portuguesa em todas as suas nuances, em sua nudez e em sua multifacetada demonstração empírica de transformação constante e evolução perene.

E isso está ao alcance de nossos olhos no dia a dia. Gírias, neologismos, extravagâncias do “internetês” são alguns exemplos de como a Língua muda e, com ela, a linguagem, com sua prosódia e grafia.

Então, proponho a que saibamos um pouco mais dessa mistura generosa e saudável da Língua Portuguesa por meio das gírias riquíssimas dos Reeducandos e Socioeducandos de nossa cidade princesina, às vésperas de seu bicentenário.

Vamos lá! Já pensaram, os senhores leitores, em cair em cima de uma Jega? Pois não se espantem porque Jega, nada mais é, do que uma simples cama!

Ah! Mas e se faltar um Latrô enquanto dormimos? Aí a coisa fica feia! Entretanto o nome aparentemente de difícil compreensão é, na verdade, usado para cobertor.

E não para por aqui! Que tal experimentar uma Moca bem forte ao fim de uma tarde fagueira? Confesso aos senhores leitores minha predileção por uma Moca em que eu esteja entre amigos. Opa! Não nos esqueçamos de explicar. Moca significa café. Simples assim! Concordam?

Neste momento, na expectativa de novos vocábulos, lembro de um termo deveras diferentão, qual seja, Ramera. Usamos nós, senhores leitores, Ramera costumeiramente, sem nenhum problema quanto à sua aceitação. Pois bem, Ramera significa camiseta. Fácil, não é mesmo?!

Admiremos nosso idioma como um instrumento valioso de construção social, humano e artístico-cultural.

Para tanto, encerro esta crônica com as sábias palavras de Gigueira S. Gigueira:

“Todos os dias somos expostos ao amor! Mas as nossas imensas gírias desleais nos prendem na solidão”!

Coluna Draft

por Edgar Talevi

Edgar Talevi de Oliveira é licenciado em Letras pela UEPG. Pós-graduado em Linguística, Neuropedagogia e Educação Especial. Bacharel e Mestre em Teologia. Atualmente Professor do Quadro Próprio do Magistério da Rede Pública do Paraná, na disciplina de Língua Portuguesa. Começou carreira como docente em Produção de texto e Gramática, em 2005, em diversos cursos pré-vestibulares da região, bem como possui experiência em docência no Ensino Superior em instituições privadas de Ensino de Ponta Grossa. É revisor de textos e autor do livro “Domine a Língua – o novo acordo ortográfico de um jeito simples”, em parceria com o professor Pablo Alex Laroca Gomes. Também autor do livro "Sintaxe à Vontade: crônicas sobre a Língua Portuguesa". Membro da Academia Ponta-grossense de Letras e Artes. Ao longo de sua carreira no magistério, coordenou inúmeros projetos pedagógicos, tais como Júri Simulado, Semana Literária dentre outros. Como articulista, teve seus textos publicados em jornais impressos e eletrônicos, sempre com posicionamentos relevantes e de caráter democrático, prezando pela ética, pluralidade de ideias e valores republicanos.