Quarta-feira, 17 de Agosto de 2022

Coluna Draft: ‘Chegou ‘no’ Brasil a Gramática’, por Edgar Talevi

01/07/2022 às 11:04

Ao Brasil chegaram Portugueses, Italianos, Ucranianos e tantos outros povos maravilhosos! Mas, e quanto à gramática normativa de nosso idioma? A ela chegaram diversos elementos que nos possibilitam a falar e a escrever melhor.

O caso primeiro a ser verificado nesta crônica é o verbo “chegar”. Quem chega, chega “a” algum lugar, portanto, o correto é chegar ao Brasil, não “no” Brasil.

Sigamos com nossa aventura pelo universo gramatical: outro aspecto que gera conflito é quando usamos o verbo comunicar. Vejamos: “Ele comunicou ‘os amigos’ da viagem.” Comunica-se alguma coisa a alguém, e não comunica-se alguém de alguma coisa: “Ele comunicou a viagem aos amigos”.

De igual modo, alguma coisa é comunicada, mas ninguém “é comunicado de alguma coisa”: “As mudanças foram comunicadas aos empregados da fábrica”.

Outros verbos, que são regidos pela mesma norma e podem se assemelhar a comunicar, são: cientificar, notificar e avisar.

Bem, se usando todas essas supracitadas normas, um determinado candidato a emprego na área de comunicação for aprovado, poderia dizer que “Conseguiu ‘com que’ o contratassem”. Aí o pesadelo começa, pois a forma ‘com que’ é inadequada. Por influência de ‘fazer com que’, verbos como conseguir, permitir e evitar são usados erradamente.

Aqui a dica é sucinta: evite o uso do ‘com que’ a todo custo: “O empregado conseguiu que sua obra fosse aprovada”. Simples, não é mesmo?

Tantas normas nos fazem pensar que, ao longo de muitos anos de escola, nossos professores contribuem ‘com’ o sucesso de nossa aprendizagem. Isso é a mais autêntica verdade, mas cuidado ao escrever e falar o verbo contribuir com o uso do ‘com’. Trata-se de inconveniência gramatical.

Prefira o uso de: “Ele contribuiu ‘para’ o sucesso da aprendizagem de seus alunos. O ‘para’ funciona muito bem e substitui à altura o ‘com’.

Para finalizar, podemos dizer que demos à luz novos conhecimentos gramaticais, não é verdade? Vejam bem que usei ‘dar à luz’, sem artigo nem preposição depois. Seria totalmente equivocado usar ‘dar à luz a’. Fiquem atentos!

Encerro nossa crônica desta sexta-feira, com uma frase de Matheus Carmezim, sobre erros de Português:
“Não me julguem por erros de Português passados, sei que muitos porquês (até esse) estão errados!”

Coluna Draft

por Edgar Talevi

Edgar Talevi de Oliveira é licenciado em Letras pela UEPG. Pós-graduado em Linguística, Neuropedagogia e Educação Especial. Bacharel e Mestre em Teologia. Atualmente Professor do Quadro Próprio do Magistério da Rede Pública do Paraná, na disciplina de Língua Portuguesa. Começou carreira como docente em Produção de texto e Gramática, em 2005, em diversos cursos pré-vestibulares da região, bem como possui experiência em docência no Ensino Superior em instituições privadas de Ensino de Ponta Grossa. É revisor de textos e autor do livro “Domine a Língua – o novo acordo ortográfico de um jeito simples”, em parceria com o professor Pablo Alex Laroca Gomes. Ao longo de sua carreira no magistério, coordenou inúmeros projetos pedagógicos, tais como Júri Simulado, Semana Literária dentre outros. Como articulista, teve seus textos publicados em jornais impressos e eletrônicos, sempre com posicionamentos relevantes e de caráter democrático, prezando pela ética, pluralidade de ideias e valores republicanos.