Domingo, 17 de Outubro de 2021
foto: Clebert Gustavo

Coluna Draft: “Política além do Bem e do Mal”, por Edgar Talevi

20/08/2021 às 09:59

2022 desponta em todos os círculos sociais e a contagem regressiva para sua maior demanda já irrompeu todos os horizontes, sejam históricos, filosóficos, judiciais e, não obstante, políticos, a saber, as “salvadoras” eleições.

Perceba-se nisso o fato de que nunca foram vistos tantos outsiders oficializando uma hipotética ruptura com o termo política, tal qual este se prenuncia ideologicamente há muitos anos.

Se fosse possível dogmatizar o vocábulo política, desafios plurais se estenderiam indefinidamente sob o prisma ideológico de multifacetadas configurações de pensamento. Mais ainda, o que se veria seria um colapso de ideias que se traduzem em “novações” da mesma dívida, ou seja, não haveria quitação para nenhum postulador doutrinário.

Ao filosofar, Friedrich Wilhelm Nietzsche, em sua obra Além do Bem e do Mal, Prelúdio a uma Filosofia do Futuro, expõe, de modo incisivo, a vontade de poder, o que repercute na forma de pensar que ultraja a metafísica, tendo como prerrogativa a criação de valores para novos filósofos.

Pois bem, que se entenda a supracitada obra como um ventre livre para nascituros pós-modernos, em que o politicamente correto toma a forma de pensar celebrado por movimentos sociais, talvez menos conservadores, vanguardistas de uma expansão de pensamento livre e pautado nas relações humanas que rezam a perspectiva da renovação da ética e do comportamento das pessoas.

Inundando ainda mais a lacuna doutrinária da conceitualização política, os termos mais ascendentes e reconhecidos, embora “pouco conhecidos”, são Esquerda, Direita, Liberal. Arrefece-se, neste ínterim, a história da Revolução Francesa, aos idos de 1789 e a posição “estratégica” de “sentar-se” À Esquerda ou à Direita do poder dominante. Mas, e quanto aos liberais? Bem, esses traduzem, ao pé da letra, o sentido lato de liberalismo, ou liberalidade – para evitar acréscimos de ismos – em que o poder ajusta-se a si mesmo e acima de todos.

Mas, fica a pergunta como espectro: Afinal, o que seria a Esquerda se não houvesse a Direita? O pensamento oposto é verdadeiro no que se refere à Direita sem a Esquerda. O Liberal assim se intitularia se não fora proporcionado a si os dois sentidos tradicionais do pensar política?

O ávido leitor se indaga agora sobre qual o propósito do introito tão condensadamente conceitualizador! Bem, para toda história há um contexto. E a viagem apenas começa com um destino certo, certo?

Tudo isso posto à mesa, as cartas são lançadas com força e olhares voltados aos adversários para que, talvez, desvendem-se cacoetes que signifiquem blefes ou poder verdadeiro nas mãos

Voltando a 2022, que já aparenta senescência, tem-se a propositura de que o supostamente novo poderá sobrepujar todas as forças “manipuladoras” do jogo democrático ou, até mesmo, devassá-las ao ponto em que o politicamente correto seria a não-política, ou algum ser biologicamente ainda não detectável nas categorizações científicas da academia.

Pois bem, fugir à doutrinação e à ideologização é uma coisa, mas demonizar a política, rotulando todo seu artefato material e imaterial como tradicional, ultrapassado e falido é um mal que a sociedade não deveria admitir. Explique-se bem este ponto: nunca foi a política que corrompeu os representantes democraticamente eleitos, mas as encardidas ambições de poder, as sujidades da malandragem em nome de um projeto de governo e não de Estado, as arremetidas de erosão no caráter, na moral, na ética, por mais que progressistas doutrinários julguem mal escolhido o termo moral, mas essa é a realidade conceitual palpável para explanar e observar os fatos.

Dito isso, corre-se, em 2022, o perigo da não-efetivação da representação do voto, por meio de sua anulação, da falta de perspectiva de ideal, da sensação de não-representação no campo macropolítico brasileiro, o que permitiria que os já manipuladores e jactosos políticos corruptos se hegemonizem e perpetuem no poder mediante seus nichos eleitorais.

O fenômeno dos outsiders, que cada dia mais engrossam a lista de pretendentes a cargos eletivos ganham espaço no dia a dia dos eleitores e asseguram a manutenção do status quo social, em nada “mudando” ou renovando, apenas alternando nomes e negando a própria política.

A negação da política é um campo extremo em que conservadores oportunistas e falsos progressistas politicamente corretos capitaneiam seus estreitos eleitorais e propagam veleidades dignas de um enredo Homérico.

Nesta perspectiva, o campo político não precisa de niilismos ideológicos, como se fosse possível aniquilar pensamentos e ideais. De igual modo não se pode permitir que se engendre na sociedade o sentimento de não-pertença ao mundo político, ficando alhures à participação necessária ao direito e dever de cidadão.

O Maniqueísmo no pensamento político não corrobora com a prática da boa política, pois esta se dá, de todas as formas; em casa, na administração adequada das finanças pessoais, na escola, no trabalho, no Estado Democrático de Direito e na Vida.

Pensar política é deixar de fora propagandistas, outsiders da negação da política, conservadores hostis e ultrapassados, oportunistas e progressistas que requerem para si toda a verdade.

Além do Bem e do Mal existe a política, com todos os seus representantes e representados, quer se queira ou não, mas a melhor forma de mudar algo que possa incomodar é justamente fazer parte da mudança, tanto no discurso como na prática.

Coluna Draft

por Edgar Talevi

Edgar Talevi de Oliveira é licenciado em Letras pela UEPG. Pós-graduado em Linguística, Neuropedagogia e Educação Especial. Bacharel e Mestre em Teologia. Atualmente Professor do Quadro Próprio do Magistério da Rede Pública do Paraná, na disciplina de Língua Portuguesa. Começou carreira como docente em Produção de texto e Gramática, em 2005, em diversos cursos pré-vestibulares da região, bem como possui experiência em docência no Ensino Superior em instituições privadas de Ensino de Ponta Grossa. É revisor de textos e autor do livro “Domine a Língua – o novo acordo ortográfico de um jeito simples”, em parceria com o professor Pablo Alex Laroca Gomes. Ao longo de sua carreira no magistério, coordenou inúmeros projetos pedagógicos, tais como Júri Simulado, Semana Literária dentre outros. Como articulista, teve seus textos publicados em jornais impressos e eletrônicos, sempre com posicionamentos relevantes e de caráter democrático, prezando pela ética, pluralidade de ideias e valores republicanos.