Coluna Lettera: ‘Carta aos pais e filhos’, por Francielly da Rosa | D'Ponta News - Notícias do Paraná - Jornalismo sério para leitores exigentes!
Segunda-feira, 04 de Março de 2024

Coluna Lettera: ‘Carta aos pais e filhos’, por Francielly da Rosa

2021-12-19 às 10:54

Dizem que as crianças são o futuro do mundo, e concordo, porém, não deixo de observar nossa parte como contribuintes na formação destas pequenas sementes. As sementes que cultivo hoje serão os bons frutos de amanhã. Ainda que sejamos surpreendidos pelas intempéries da vida, não podemos renegar a responsabilidade que nos foi confiada, quanto a criação destas pequenas criaturas tão cheias de vida.

Há nestes pequenos corpos a beleza exuberante de quem vive pela primeira vez. Os olhos iluminados, tal qual joias do céu, o sorriso e o abraço sincero que nos curam as amarguras da vida. Tudo é tão simples para eles que até mesmo as desavenças resolvem-se em poucos minutos. É pensando nesses pequenos brotos, que iluminarão e construirão o futuro, e também em seus criadores, que escrevo estas singelas palavras; e as dedico especialmente ao meu pequeno menino.

Vejo-te, hoje, filho amado, a descobrir esta extraordinária jornada que é a vida. Tem no peito infante todos os sonhos e curiosidades do mundo. Contemplo teu jeito meigo e persuasivo, prevendo o futuro brilhante que te aguarda. Preparo-te para as bonanças e tribulações, mostro-lhe o caminho, mas somente você, minha pequenina alma livre, escolherá a estrada a seguir. Cerco-lhe para que não caia nas mãos impiedosas do mundo, mas não lhe tolho o voo.

Somos responsáveis pelos filhos que criamos, e como ficaria angustiado o coração daquele que o cuidou ao vê-lo cair em tentação. Por isso, atenta-te, ó pai e mãe, ao fruto a ti confiado, para que não chores as lágrimas advindas da consequência de tua irresponsabilidade.

Sei que um dia entenderá, filho, como nós pais preocupamo-nos em atender suas necessidades, instruindo-o a seguir o bom caminho, porém, sem interferir em sua autonomia. Escrevo-lhe estas mal traçadas linhas e tenho os meus olhos em água! Ainda em tenra idade vejo-o ser vítima do coração amargurado, da impaciência e maldade de muitos adultos.

Essa semana, observei teu jeitinho sincero nos lamentos do seu coração, pois, uma pessoa infeliz privou-lhe a hora da brincadeira escolar, quando tu, meu pequeno astro, não soube resolver uma atividade.

Em seus cinco anos de vida vejo sua dedicação, e como sempre busca acolher a todos com tua alegria espontânea e tuas palavras doces, mas sei que aí dentro sente não ser correspondido por muitos adultos. Vi também a escola repleta de brilho natalino, e em meio as outras crianças, presenteadas pelo ano que passou, tu foste o único privado de receber a lembrancinha escolar. Teus pais repreenderam a atitude da pessoa que lhe deixou sem recreio, e esta, por sua vez, vingou-se através dessa atitude mesquinha.

Ainda que teus olhos não enxerguem a maldade, vemos e sentimos muito por você, mas saiba que nada lhe faltará, pois, tem em seu lar todas as melhores lembranças que poderia ter.

Vez ou outra, isso lhe ocorrerá, mas cultiva sempre em teu coração a leveza, o amor e honestidade com que encara a vida! Vê, filho meu, que nem sempre seremos alvos da alegria e da gentileza. Assim como as ervas daninhas sufocam as flores do jardim, muitos serão os que, por egoísmo e má intenção, irão perturbar-lhe o caminhar, mas sei que você, meu bom jardineiro, saberá arrancar as ervas, superando os obstáculos de tua jovem caminhada. Além disso, quando olhar à tua volta verá o apoio e amor incondicional de tua família, que nunca deixará de assisti-lo nas necessidades.

Neste momento, observo-o da janela, enquanto o dia inclina-se ao fim, e tu, estrela guia, brilha e ilumina todos os meus dias e noites. A única coisa que lhe peço é que cultive o teu brilho, e os cachinhos do teu cabelo, que vez ou outra lhe caem sobre seus formosos olhos castanhos. Persista e lute contra tudo e contra todos, se isso for necessário, e siga em busca dos teus sonhos e desejos. Quando na velhice eu lhe faltar, saiba que estarei zelando por você lá de cima, junto àquele que lhe deu a vida, no plano que um dia habitamos, antes de assinarmos o contrato desta vida.

Cuidem, paizinhos, para que teus filhos sintam-se amados, seguros e felizes, quando vítimas do mal do mundo, que eles encontrem em vocês a proteção. Alguns compreenderão o teu amor nas palavras, outros através de gestos, apenas descubra a melhor forma de se conectar com ele. Entendam também que não nos cabe privar-lhes o voo, ou escolher por eles a jornada, pois, são seres únicos e diferentes em suas especificidades.

Sede pacientes com esta jovem alma que tem em si a ânsia em descobrir o mundo. Evita agredir ou insultar-lhe, pois, arrependimento nenhum apagará a marca de tuas palavras e ações. Vê, nesses pequenos seres repletos de inteligência, que muito mais sadio e sábio é a construção do diálogo do que os atos de punição.

Por fim, meus bons pais e meus bons filhos, que um dia hão de ser pais também; Deixo aqui o meu conselho: Olhem para as suas mãos e lá encontrarão o futuro de uma existência! Sigam firme e continuamente, ainda que o mal lhes aflija. Levem sempre no coração a doçura da infância, a paciência, o amor, e a certeza de que não há razões para temer o futuro quando se sabe que fez um bom trabalho no cultivo de suas sementes.

Coluna Lettera

por Francielly da Rosa

Francielly da Rosa é graduada em Letras Português e Inglês pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Atualmente, é mestranda do Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, com ênfase em estudos literários, também na UEPG. Ela é escritora, cronista e coautora do livro "Crônicas dos Campos Gerais". Descobre, entre as palavras que lê e escreve, a motivação que sustenta seu viver. Escreve crônicas, contos, poesias e, às vezes, se aventura no gênero romance. Além disso, participa de projetos de incentivo à leitura e de outras atividades culturais. Possui diversas crônicas premiadas e publicadas em jornais e sites locais. Em virtude de seu trabalho como escritora, recebeu duas moções de aplauso da Câmara Municipal de Ponta Grossa. Também foi premiada no Festival Literário de São Caetano do Sul, na categoria miniconto, sendo a única representante da cidade de Ponta Grossa.