Coluna Lettera: ‘Desista!’, por Francielly da Rosa | D'Ponta News - Notícias do Paraná - Jornalismo sério para leitores exigentes!
Sábado, 24 de Fevereiro de 2024

Coluna Lettera: ‘Desista!’, por Francielly da Rosa

2021-11-28 às 10:34

Alguns meses atrás encontrei um amigo que não via há muito tempo. É engraçado como os assuntos nunca mudam! Independente quanto tempo passe você sempre perguntará como está a família, o trabalho, o clima, e logo recairá em reclamações, algo recorrente em qualquer diálogo. Em minha mente fiquei refletindo sobre o costume tão estranho que temos de queixar-se aos outros.

Após ouvir o longo discurso, resolvi compartilhar com ele um pensamento que há muito tempo construo sobre as adversidades da vida. Então respondi firmemente que desistisse, e, quando ouviu a inesperada afirmação, seus olhos encheram-se de espanto e indignação. A dúvida que ainda pairava em seu olhar fez-me sorrir, e como ele ainda permanecia em silêncio resolvi explicar o que queria dizer. Disse-lhe então, mais uma vez, para que desistisse, pois, após tudo o que ouvi, percebi que ele estava certo! Nunca conseguiria uma promoção no trabalho, não compraria um carro novo, nem conseguiria fazer a tão sonhada viagem que planejava. Os anos iriam passar e ele continuaria o mesmo.

Desistir é a melhor opção! Mas entenda da seguinte forma: Desista da pessoa infeliz que é hoje! É preciso renascer! Se almeja um futuro próspero, primeiramente, precisa abandonar a perspectiva que vem nutrindo, pois, como espera estar em uma condição diferente se hoje não acredita em si mesmo?! Visualize seus sonhos sendo alcançados e eles se concretizarão! Desista das relações que não somam em sua vida, deixe de lado as lamúrias e todos aqueles que não o fortalecem!

Muitos dizem, orgulhosamente, que em seus dicionários não existe a palavra “desistir”, eu, porém, penso que desistir é necessário em alguns momentos da vida. Temos o costume de amarrar-se em relações infrutíferas, trabalhos que nos deixam infelizes, cercamo-nos de pessoas que aproveitam o que temos a oferecer, nos enganam com doces palavras, fingem ser nossos amigos, mas nos abandonam na primeira oportunidade. É preciso desistir e abandonar os fardos que voluntariamente carregamos! Assim teremos uma vida mais leve e uma perspectiva de futuro mais límpida e otimista! Somente desistindo dos hábitos nocivos, da autossabotagem, poderemos trilhar os caminhos da mudança e do sucesso.

Nunca soube ao certo o efeito que aquelas palavras provocaram em meu interlocutor, passei dias pensando e arrependi-me, quase que amargamente, de externar aquela opinião. Um tempo depois encontrei meu amigo novamente, mas não tivemos tempo para conversar, pois ele estava ocupado conversando com outra pessoa. Ainda assim, vi o sorriso mais bonito que ele já havia esbanjado em anos, e pude ouvi-lo dizer ao colega que andava ao seu lado cabisbaixo: “desista”. Surpreendi-me, voltei o olhar aos dois e sorri. Creio que aquelas palavras o motivaram a adotar uma perspectiva positiva perante a vida, acreditando em seu potencial, e, agora, ele estava fazendo o mesmo por outra pessoa.

Às vezes a chave para o progresso é desistir… desistir de tudo aquilo que te impede de progredir!

Coluna Lettera

por Francielly da Rosa

Francielly da Rosa é graduada em Letras Português e Inglês pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Atualmente, é mestranda do Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, com ênfase em estudos literários, também na UEPG. Ela é escritora, cronista e coautora do livro "Crônicas dos Campos Gerais". Descobre, entre as palavras que lê e escreve, a motivação que sustenta seu viver. Escreve crônicas, contos, poesias e, às vezes, se aventura no gênero romance. Além disso, participa de projetos de incentivo à leitura e de outras atividades culturais. Possui diversas crônicas premiadas e publicadas em jornais e sites locais. Em virtude de seu trabalho como escritora, recebeu duas moções de aplauso da Câmara Municipal de Ponta Grossa. Também foi premiada no Festival Literário de São Caetano do Sul, na categoria miniconto, sendo a única representante da cidade de Ponta Grossa.