Sexta-feira, 25 de Junho de 2021
foto: Clebert Gustavo

“Um diálogo áspero em baile de carnaval” – Crônicas dos Campos Gerais

10/06/2021 às 15:55

Texto de autoria de Alberto Jorge Bittencourt, advogado, Tibagi. Produzido no âmbito do projeto Crônica dos Campos Gerais, da Academia de Letras dos Campos Gerais (https://cronicascamposgerais.blogspot.com/).

 

UM DIÁLOGO ÁSPERO EM BAILE DE CARNAVAL

Tornou-se uma referência na história não escrita de Tibagi, a figura de Gasparino de Sá Bittencourt (1887-1952), o que se deu pela forma de ver, interpretar e falar das coisas de sua época. Filosofava ao seu modo meio agauchado, expressando seu apego à tradição, à moral, aos costumes da gente ligada à terra dos Campos Gerais, com raízes mais distantes voltadas ao Sul do Brasil.

Numa situação bem interessante, Gasparino ─ que, evidentemente não era muito afeito a festejos carnavalescos ─ foi ao clube da cidade acompanhar as filhas solteiras que desejavam participar do baile, como seria normal num evento desses. Chegando ao clube, tomou a mesa já reservada e sentou-se com as moças. Claro que Gasparino não estava fantasiado. Vestia sua tradicional bota de couro, calça social, paletó e lenço no pescoço. Sisudo, acompanhou as primeiras seleções de sambas e marchas carnavalescas bem executadas pelo conjunto de metais.

No clube estava o “Cadete”, como era conhecido o pernambucano Manoel Evêncio da Costa Moreira. Este foi um dos pioneiros na agitação cultural de Tibagi no início do século passado; instrumentista de valor, cantor talentoso. Mas não era pessoa muito próxima de Gasparino no dia a dia da cidade. Cadete liderava um bloco fantasiado de cangaceiros, naquele baile. Na aba quebrada do chapéu, os foliões levavam a frase: “Para o amor não há idade”.  E Cadete, propositadamente, quando passava em frente à mesa onde Gasparino estava com a família, fazia uma reverência, mostrando a frase no chapéu.

Após umas duas dessas provocações, conta-se que Gasparino levantou-se e segurou Cadete pelo colarinho, falando em tom seguro e firme: ─ Olha aqui seu moleque, me respeite! Aqui dentro não te faço nada! Lá na rua, te cubro de desaforos! E na coxilha, te corto no laço!

Soltou o folião com desprezo e convidou as filhas para irem embora. Cadete, claro, deve ter brincado até o fim do baile.

Crônicas dos CG

por Crônicas dos Campos Gerais

A Academia de Letras dos Campos Gerais (ALCG) e entidades promovem o projeto literário “Crônicas dos Campos Gerais”. A iniciativa, que teve a primeira edição entre 2019 e 2020, visa estimular a produção e o intercâmbio de textos (crônicas) que tratem de aspectos da vida regional, incluindo os pitorescos e singulares. Tem intenção de revelar e incentivar novos talentos literários, divulgar e aprofundar o apreço pela cultura popular e erudita regional. O projeto convida a população a escrever crônicas sobre a vida nas cidades ou no ambiente rural dos Campos Gerais do Paraná. Para participar, basta enviar os textos em arquivo digital por e-mail.