Pai de Santo Rafael Miranda conta detalhes sobre a Umbanda e o terreiro Caboclos da Lei | D'Ponta News - Notícias do Paraná - Jornalismo sério para leitores exigentes!
Domingo, 25 de Fevereiro de 2024

Pai de Santo Rafael Miranda conta detalhes sobre a Umbanda e o terreiro Caboclos da Lei

2023-11-27 às 11:59
Foto: D’Ponta News

O pai de santo do terreiro de Umbanda Caboclos da Lei, Rafael Miranda de Almeida, conhecido como Pai Rafael, esteve no programa Manhã Total, apresentado por João Barbiero, na Rádio Lagoa Dourada FM (105,3 para Ponta Grossa e região e 92,9 para Telêmaco Borba), nesta segunda-feira (27) e contou curiosidades sobre a religião de matriz africana.

Leia os principais pontos da entrevista:

O sacerdote do terreiro explica que o nome Umbanda está no dicionário do dialeto kimbundo, de origem africana, e significa ‘a arte de curar’. “A prática já existe na África muito antes do que no Brasil, mas foi trazido pelos antigos escravizados (…) e aqui ele recebeu uma reconfiguração”, conta, explicando que através da mistura dos costumes africanos com os indígenas que viviam aqui, foram reconfigurados os costumes da religião, tornando-se afro-brasileira. “A Umbanda foi ressignificada, não é a mesma que existe na África”, assinala.

Quando questionado se a religião acredita em Deus, ele explica que sim. “A Umbanda tem Deus em primeiro lugar”, afirma. São adeptos da vertente Bantu, e que acredita no Zambi, ‘deus supremo’, mas cultuam também forças da natureza e divindades ancestrais, conta o pai de santo.

Rafael ainda explica que com a colonização do Brasil e a evangelização dos índios, a Igreja Católica se tornou a religião oficial do país e, com a cultura africana dos povos escravizados, houve uma fusão das doutrinas, processo conhecido como sincretismo, “para que pudessem louvar seus orixás, mas na imagem de santos católicos”, conta.

Funções dentro do terreiro

Sobre o termo ‘pai de santo’, ele explica que tem origem no dialeto iorubá, também de origem africana, e que com a mistura das culturas da África com as do Brasil, foi traduzida para ‘Babalorixá’ e significa pai do orixá. “A Umbanda trouxe isso devido a mistura com o povo iorubá. E a gente é chamado de pai de santo porque zela pelas divindades dentro do terreiro”, conta Rafael.

Nas funções que exerce no terreiro, ele conta que é responsável pela manutenção e cuidado com os orixás e divindades. E conta que dentro do terreiro existem diversas funções, mas que a principal de quem procura o centro, “é a incorporação do espírito para trazer a sabedoria ancestral”, conta ele.

Ele conta que existem outros ‘pais de santo’, ‘pais e mães pequenos’ e os ‘cavalos’, palavra africana que refere-se a um amigo, e corresponde aos ‘médiuns’ do terreiro, pessoas capazes de se comunicar com os espíritos. Durante a ‘gira’, termo usado para o ritual, é realizada uma dança, chamada de Muzenza. “Nós dançamos porque na cultura africana o dançar significa felicidade; quando a gente dança, canta e bate palmas, estamos em comunhão de felicidade”, assinala.

Caboclos da Lei

O Caboclos da Lei realizará no dia 17 de dezembro a Segunda Edição do Boteco do Zé Pretinho, festa para encerrar as atividades de 2023. Contará com apresentação de grupos de samba e grupos de cantos e atabaques de terreiros, conhecidos como ‘curimbeiros’.  Serão vendidas comidas e ‘porções de boteco’, além de chopp e outros drinks. Os ingressos estão a venda por R$20,00 através do LINK.

O terreiro Caboclos da Lei fica na rua Casemiro de Abreu, nº 734, em Uvaranas. É aberto aos visitantes, os horários das ‘giras’ ou maiores informações podem ser encontradas no Instagram do centro.

Confira na íntegra a entrevista com o pai de santo: