Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

D’P Cena Local: Primeiro brechó plus size de Ponta Grossa

2022-11-06 às 15:06
Divulgação

Por Enrique Bayer

Primeiro brechó plus size de Ponta Grossa, o Templo da MUM (de “mais uma mulher”, nome artístico da cantora Gabriela de Paula) surgiu em 2020, fruto da necessidade de renda extra. O empreendimento, que indica um mercado mais inclusivo, surgiu, segundo Gabriela, “por eu ser artista”. “O diagnóstico era de que, na pandemia, eu ia ficar parada, então criei o brechó”, conta.

A cantora, que sempre gostou de garimpar roupas, afirma também que percebeu um crescimento do número de brechós na cidade, mas que não havia nenhum plus size. “Esse nicho específico é raro no Brasil, pelo que eu percebo. No momento que eu entendi que havia procura, entendi também que era uma oportunidade de negócio”, explica, acrescentando que, em sua opinião, o mercado da moda é gordofóbico. “Os tamanhos, no ‘fast fashion’ [moda rápida], até recentemente, chegavam basicamente só a 48”, aponta.

Gabriela explica que outro entrave está no fato de que tamanhos maiores tendem a ser muito mais caros, porque são muito menos produzidos. “Geralmente você não encontra roupas do seu tamanho, e, quando tem, não correspondem ao seu estilo”, critica.

On-line

Quanto ao funcionamento do brechó, a proprietária conta que as vendas, por enquanto, são apenas on-line (@templodamum). “Para operacionalizar as vendas, eu dedico dois dias da semana ao garimpo das peças e para fazer a venda. Esse processo inclui lavar, costurar, fazer as fotos e postar no Instagram. Também inclui ir aos Correios, porque a maioria do meu público é de São Paulo”, relata.

Quanto aos preços, a empresária conta que já chegou a comercializar peças de R$ 35,00 até R$ 350,00. “Tudo depende da condição da peça e do trabalho relacionado a ela. Precifico de acordo com isso”, explica.

Recepção

Em relação à recepção dos consumidores e o futuro do brechó, Gabriela diz que, apesar da crise econômica, o retorno foi bom, principalmente pela escassez de brechós plus size no mercado. “Para o futuro, as possibilidades estão abertas. A minha profissão hoje é a de artista, mas, pelo menos no futuro próximo, o brechó vai continuar existindo”, prevê.

Sobre o crescimento do setor de brechós no Brasil, a proprietária destaca o impulsionamento da economia criativa no país e a necessidade econômica que a pandemia gerou, além da recente mudança dos consumidores em relação ao consumo de moda.

Para saber mais sobre o Templo da Mum, que comercializa roupas dos números 44 ao 60+, siga o brechó no Instagram: @templodamum.

Conteúdo publicado originalmente na Revista D’Ponta #292 Setembro de 2022.