Quinta-feira, 07 de Julho de 2022

“Somos previsivelmente irracionais e o Marketing trabalha com isso para nos fazer comprar”, reflete jornalista Jeferson de Souza

10/05/2022 às 11:40

Na última semana, o McDonald’s decidiu retirar de linha o novo sanduíche ‘McPicanha’, após admitir que a carne utilizada no lanche não era do corte picanha. O jornalista Jeferson de Souza comentou sobre esta polêmica e as técnicas de Marketing mais utilizadas pelas empresas durante bate-papo no programa Manhã Total, apresentado por João Barbiero, na rádio Lagoa Dourada FM, nesta terça-feira (10).

Jeferson reflete que o McPicanha sem a picanha acabou gerando um desgaste para a marca. “Foi um problema que o próprio McDonald’s colocou a culpa na comunicação. Aí gerou um arranhão na imagem deles, porque estavam vendendo um produto que dava a entender que era picanha e depois explicaram que era um blend de carnes, com um molho sabor picanha, desenvolvido pela indústria”, explica.

A empresa já tomou uma providência e tirou o sanduíche do mercado, segundo Jeferson. “Provavelmente vão fazer um relançamento e vão ter que repensar essa estratégia após esse tiro no pé. O Procon entrou com uma ação e o Mc pode sofrer uma multa pesada”, comenta.

Como não cair nas técnicas do Marketing?

Como o Marketing busca causar sensações nas pessoas, Souza afirma que as empresas utilizam as técnicas para entender e se aproximar dos consumidores, como é o caso das propagandas do McDonald’s que despertam o desejo do consumo. “O Marketing tradicional trabalha com pesquisa, desenvolvimento de produtos e de um tempo pra cá surgiu uma novidade, o Neuromarketing. São as técnicas mais avançadas a partir de estudos do cérebro. A partir desta evolução, o marketing começou a aplicar isso no desenvolvimento de produtos e buscar entender o que motiva o consumidor”, afirma.

Ele ainda finaliza. “Somos previsivelmente irracionais e o Marketing trabalha com isso para fazer a gente ir lá e comprar. Para não cair nessas técnicas é muito difícil. A gente tem o cérebro desenvolvido para ser racional, mas a maior parte das nossas decisões são irracionais. O cérebro automatiza as informações para economizar energia. E o Marketing sabe disso e joga a isca. O processo de compra é emocional e a gente cai porque os nossos instintos falam muito alto”, conclui.

Confira a entrevista completa: