Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2022

Intenção de consumo das famílias cai 2,5% em 2021

11/01/2022 às 16:28

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) paranaenses, aferida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), encerrou o ano de 2021 com retração de 2,5% e média de 95,1 pontos. Foi a segunda menor média anual da série histórica e ficou abaixo, inclusive, de 2020, quando a média do indicador foi de 97,6 pontos, com redução de 10,1% em relação a 2019 (108,6 pontos).

O ICF das famílias com renda abaixo de dez salários mínimos foi o mais impactado pela pandemia, com médias de 93,8 pontos em 2021 e de 96,9 pontos em 2020, ante 107,4 pontos em 2019 (período pré-pandemia). Por terem ficado abaixo da base 100, tais medianas são consideradas insatisfatórias.

Já entre as famílias de maior rendimento, o indicador de consumo melhorou em 2021 (101,5 pontos na média) em relação a 2020 (100,6 pontos), sendo que ambos se mantiveram acima da zona de satisfação, mesmo tendo ficado bastante abaixo do período pré-pandemia (114,1 pontos em 2019).

A avaliação interanual do ICF, em que se compara dezembro de 2021 (100,1 pontos) com dezembro de 2020 (95,0 pontos), revela melhora considerável, com elevação de 5,4%. Na comparação de dezembro com novembro (97,5 pontos), o índice subiu 2,7%.

Em dezembro, o índice alcançou o patamar satisfatório pela terceira vez no ano, ficando acima dos 100 pontos (Fev: 100,7 | Mar: 100,3 | Dez: 100,1). A recuperação do ICF passou a ser mais acentuada no segundo semestre, puxada principalmente pelas famílias de maior renda.

A análise dos subindicadores mostra que a Perspectiva de Consumo foi a que mais cresceu na variação anual, com alta de 42,9%. Na sequência, apresentaram aumento a Perspectiva Profissional (12,8%), Nível de Consumo Atual (11,4%) e Renda Atual (10,5%). Entretanto, tiveram queda na variação anual os fatores Acesso ao crédito (-15,8%), Momento para Duráveis (-8,8%) e Emprego Atual (-2,4%).

do Fecomércio