Domingo, 21 de Abril de 2024

“O ponta-grossense descobriu Ponta Grossa”, afirma Rangel sobre crescimento econômico do município

2020-09-01 às 08:50

“O ponta-grossense descobriu Ponta Grossa”, afirma o prefeito municipal, Marcelo Rangel. Ele acredita que a ampla oferta de produtos e serviços na cidade foi responsável pela manutenção dos empregos e crescimento econômico do município durante a pandemia de COVID-19. 

Rangel destaca que diariamente são anunciadas 250 novas vagas de empregos na Agência do Trabalhador e que o PIB de Ponta Grossa cresceu acima de 10%, ultrapassando cidades como Londrina e Foz do Iguaçu. “A cidade de Ponta Grossa economicamente está dando exemplo para o Brasil. Estamos mostrando como é que se faz com a economia em tempos de pandemia”, frisa.

Aquecimento na construção civil

De acordo com o prefeito, um dos pilares da economia de Ponta Grossa é o setor imobiliário. “Apenas uma empresa está construindo 2,5 mil casas populares. Para isso ela precisa de centenas de pessoas trabalhando, comprar material de construção e isso gera uma economia virtuosa”, comenta. 

Ele destaca ainda que os prédios acima de nove andares, antes proibidos, agora são comuns em Ponta Grossa. “Quem autorizou fomos nós. Alguns tinham uma teoria, que é até bonita, de que a cidade ficaria igual Paris com os prédios baixinhos”, conta. Ele acrescenta que a construção civil é uma das grandes responsáveis pela geração de empregos.

Comércio com ampla oferta de produtos e serviços

“O comércio de Ponta Grossa sempre sofreu pela influência de Curitiba. O ponta-grossense adorava ir para Curitiba para gastar, ir no shopping e passar o final de semana com a família”, lembra. Ele salienta que a proximidade da capital fazia com que os pequenos comércios do município não conseguissem se manter ativos. “Antigamente as pessoas abriam uma empresa aqui em Ponta Grossa, ficava dois meses e fechava, porque as pessoas iam para Curitiba comprar”, recorda.

Para Rangel, com a pandemia a população descobriu que não precisa ir para Curitiba e que a cidade também conta com boas lojas. “As pessoas começaram a gastar na cidade e o dinheiro ficou aqui fazendo a economia girar. Isso gerou um progresso absurdo e foi uma oportunidade para que as pessoas pudessem prosperar com seus negócios”, enfatiza.

Ele frisa ainda que a reativação do Aeroporto Sant’Ana também contribuiu para o aquecimento da economia. “Vale a pena ir para Curitiba de carro se para ir para São Paulo você gasta R$200 saindo aqui do nosso aeroporto?”, questiona. “Gasta muito menos ir para São Paulo de avião do que para Curitiba de carro”, afirma.

Restaurantes apostam no delivery 

O prefeito acredita que o clima frio e chuvoso é responsável pela mudança de hábitos dos ponta-grossenses.  “Nós temos uma cultura aqui em Ponta Grossa que é bem interessante. Grande parte dos ponta-grossenses não têm muito uma cultura de sair, ir em restaurantes ou barzinho, mas adora ficar em casa e comprar por delivery”, sublinha. 

Ele reforça que, durante a pandemia, 40% a 60% faturamento dos restaurantes vem dos serviços de delivery. Isso pode ter estimulados outros empreendedores a investir nesse modelo de negócio “As pessoas que estão lá no bairro, às vezes a dona de casa que não tinha renda, abriu um restaurante pequeninho dentro de casa e começou a vender por delivery e começou a ganhar dinheiro”, destaca.

Para Rangel, é possível prever que, após a pandemia de coronavírus, a economia de Ponta Grossa continuará pujando. “A cidade está independente e isso para economia é maravilhosa. Só tende a crescer, a aumentar e a melhorar ainda mais”, acredita. 

As declarações foram dadas na manhã desta terça-feira (1), durante o ‘Programa Nilson de Oliveira’, apresentado por Rangel na Rádio Mundi FM.