Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

Câncer de Mama: tratamentos contam com novas terapêuticas para brasileiras

2022-09-02 às 09:02

A pouco mais de um mês do início do alerta contra o câncer de mama – Outubro Rosa -, o Brasil viu a chegada de novas drogas para o tratamento da doença, assim como estudos avançados, que trazem melhores perspectivas para as mulheres que travam luta contra a doença. 

O uso do medicamento Transtuzumabe Deruxtecana foi liberado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso ampliado contra o tipo de câncer de mama mais agressivo, o HER2. Esta nova droga esteve no centro das atenções das discussões no Associação Norte-Americana de Oncologia Clínica, o Asco, encerrado em 7 de junho, em Chicago (EUA).

“O câncer de mama é o tipo mais prevalente entre todas as neoplasias. Estima-se que uma em cada oito mulheres que viverem até os 75 anos de idade terão câncer de mama. Por isso, as novas descobertas da ciência chegam num momento que a medicina, em várias áreas, tenta fazer frente aos desafios que a longevidade tem imposto para equacionarmos o viver mais com o viver com saúde”, diz o oncologista Bruno Santucci, diretor Médico da Hemomed Oncologia e Hematologia. De acordo com ele, nos últimos dois anos foram realizadas descobertas de medicamentos que aumentaram, significativamente, a sobrevida das pacientes com todos os subtipos de câncer de mama.

Para um subtipo chamado triplo negativo, que acomete mulheres mais jovens e representa 15% dos casos, recentemente a imunoterapia se mostrou eficiente tanto no cenário de doença localizada, para ser usada antes do tratamento cirúrgico, como no cenário de doença metastática. De características mais agressivas, o triplo negativo registrou redução de 27% na chance de morte quando comparado ao uso apenas da quimioterapia convencional.

No subtipo com expressão da proteína HER2, seja em hipreexpressão ou baixo expressor, a medicação Trastuzumab Deruxtecan apresentou resultados favoráveis em pacientes com doença metastática que tinham falhado a pelo menos uma linha de tratamento. Neste cenário, houve redução de 45% na chance de morte com a medicação em relação à terapia padrão. “É muito gratificante observar a ciência evoluir no tratamento de um tipo de câncer que apresentou aumento de casos da ordem de 40% nas últimas três décadas, segundo estudo do Inequalities in the Burden of Female Breast Cancer in Brazil”, diz o diretor Médico da Hemomed. Ao redor do mundo, algumas pesquisas seguem com resultados animadores e apontam para, inclusive, vacinas contra o câncer de mama.

 

Sobre a Hemomed

A Hemomed Oncologia e Hematologia está há 25 anos no mercado e é uma associação sem finalidade econômica. Realiza mais de 12 mil atendimentos ao mês, entre consultas, infusões quimioterápicas e acompanhamento hospitalar de pacientes beneficiários de cerca de 30 planos de saúde. É uma instituição acreditada pela ONA, reconhecida organização não governamental de certificação de qualidade em saúde no Brasil.