Terça-feira, 18 de Junho de 2024

Dia do Doador de Sangue: Hemonúcleo de PG recebeu mais de seis mil doadores de sangue nos últimos meses

2020-11-25 às 15:06

Nesta quarta-feira, 25 de novembro, é comemorado o Dia Nacional do Doador de Sangue. A data tem o objetivo de sensibilizar a sociedade sobre a importância de doar sangue.

Segundo Robson Xavier, diretor da 3ª Regional de Saúde, atualmente o hemonúcleo de Ponta Grossa, atende 18 instituições hospitalares na região. “Nos últimos seis meses recebemos 6.399 doadores e produzimos 5.189 bolsas, numa média de 864 coletas por mês. Estamos em processo de reforma e ampliação do nosso Hemonúcleo e isso nos possibilitará ampliar nossa capacidade de receber mais doadores”, explica Robson. 

Robson Xavier, diretor da 3ª Regional de Saúde

O professor Rafael Kondlatsch é doador de sangue desde 2002 e tenta manter a frequência de doação a cada três ou quatro meses. “É uma forma muito fácil de ajudar pessoas que precisam. E fazer isso de forma regular te faz incluir a doação na rotina. Quando eu faço uma doação já anoto na minha agenda quando estarei livre para a próxima, é um ritual que faço há muitos anos e que me faz muito bem”, afirma.

No Brasil, cerca de 3,6 milhões de bolsas são produzidas por ano a partir das doações, o que corresponde a cerca de 1,8% da população doando sangue. Porém, segundo Robson Xavier, o número ainda é considerado baixo. “Isso ainda é muito pouco, principalmente nos finais de ano e em épocas especiais. A Secretaria de Estado da Saúde tem trabalhado muito para aumentar estes números”, afirma. 

Professor Rafael Kondlatsch, doador de sangue há quase 20 anos

Com o objetivo de incentivar mais pessoas a doar sangue, Rafael Kondlatsch conta que já coordenou um grupo de doadores voluntários em Mafra, sua cidade natal, durante os anos de 2011 e 2016. “Lá não tem coleta de Hemocentro e a gente tinha que levar os doadores até outras cidades da região. O nome do grupo é Doadores Riomafra (por causa da junção dos nomes das cidades Mafra-SC e Rio Negro-PR)”, afirma. O grupo existe até hoje e leva doadores para Joinville, Porto União e Curitiba para doações mensais.

Para o professor Rafael, doar sangue é gratificante. “Sinto que estou fazendo um pouco para tornar a vida de alguém melhor, ou mesmo ajudando a salvar uma vida. É gratificante quando você olha o bem que uma doação pode fazer, parece uma coisa pequena, mas é um gesto muito grande de amor”, conclui.

Atualmente, o Hemonúcleo de Ponta Grossa necessita de doadores com Sangue Tipo A Positivo e O negativo e Positivo.

Foto: Agência Estadual de Notícias/Arquivo Pessoal