Sexta-feira, 19 de Julho de 2024

Entenda por que o Consaúde teve vendas suspensas pela ANS e deve alienar beneficiários em PG

2020-02-15 às 16:16
Foto: Divulgação

Nesta segunda-feira, 14, uma Resolução Operacional da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicada no Diário Oficial da União proibiu o Consaúde de comercializar novos planos ou produtos da empresa. A resolução também determinou que a Consaude S/S Ltda., registro ANS nº 35.072-9 e CNPJ nº 02.906.583/0001-40, faça a alienação, ou seja, repasse ou comercialização da carteira de beneficiários em até 30 dias após data de intimação.

Conforme o documento, as medidas foram tomadas “considerando as anormalidades econômico-financeiras e administrativas graves que colocam em risco a continuidade do atendimento à saúde”.

Clique aqui para ver a Resolução Operacional na íntegra.

A reportagem do D’Ponta News entrou em contato com a assessoria de imprensa da Consaúde que afirmou, em nota padrão de resposta, que durante o período de transição os beneficiários terão os atendimentos mantidos, que a transferência para outros planos seguirá conforme a legislação e os beneficiários serão comunicados pelos canais oficiais do plano. (clique aqui para ler a nota na íntegra)


O QUE ACONTECEU COM O CONSAÚDE?

O D’Ponta News conversou com fontes ligadas à área de saúde e também ao Consaúde para entender os motivos que podem ter levado à decisão da ANS.

De acordo com o próprio site do Consaúde, a operadora nasceu com o objetivo de ajudar financeiramente o Hospital Bom Jesus em Ponta Grossa, administrado pelas freiras da Congregação das Irmãs Servas de Maria Imaculada.

Fontes afirmaram ao D’PN que o prédio onde atualmente está a sede do Consaúde teria sido vendido por um valor de aproximadamente R$ 18 milhões de reais, sendo que R$ 8 milhões teriam sido investidos no Hospital Bom Jesus. Após a venda, o plano teria passado a alugar o imóvel para permanecer no mesmo local.

A dívida total, de acordo com fontes ligadas ao Hospital e ouvidas pelo D’Ponta News, beiraria a casa dos R$ 80 milhões, sendo que o Hospital Bom Jesus teria feito empréstimos em bancos, inclusive em nome pessoal de freiras que fazem parte do corpo administrativo da instituição. Além disso, outras instituições de saúde locais que atendem beneficiários do Consaúde estariam com pagamentos em atraso e, com a suspensão de novas vendas, podendo deixar de atender pelo plano a qualquer momento.

Nos últimos anos o Hospital Bom Jesus recebeu equipamentos do SUS, como tomógrafo, monitores multiparamétricos, equipamentos de anestesia e de emergência, que somam aproximadamente de R$ 1,5 milhão oriundos do Governo Federal. Após a situação exposta pela ANS, fontes da área de saúde ouvidas pela reportagem afirmam que o Hospital Bom Jesus já estaria fazendo levantamento destes equipamentos para que sejam devolvidos e a instituição pare de atender pacientes do Sistema Único de Saúde.


O QUE DIZ O CONSAÚDE

A reportagem do D’Ponta News entrou em contato com a assessoria do Consaúde e questionou os pontos mencionados acima.

– Sobre a venda da sede, utilização da verba e locação do imóvel.
“Não foi vendida.”

– Sobre a dívida que poderia chegar a R$ 80 milhões.
“Não procede.”

– Sobre empréstimos em bancos e possíveis dívidas com outras instituições de saúde que atendem beneficiários Consaúde e que poderiam deixar de atender pelo plano.
“Gostaríamos de provas de quem está sem receber v. Não temos NENHUMA dívida com ninguém. A medida proposta pela ANS é para evitar que algum dia possamos não conseguir cumprir com os compromissos financeiros”

– Sobre devolução de equipamentos recebidos do Governo Federal e possível suspensão dos atendimentos pelo SUS.
“Mentira também, não há essa possibilidade”

 

foto: Divulgação / Arquivo