Segunda-feira, 20 de Maio de 2024

Hospital Bom Jesus é confirmado como retaguarda em caso de lotação do HU

2020-05-25 às 09:01

Na manhã desta segunda-feira (25), o prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel confirmou que 20 leitos de UTI do Hospital Bom Jesus estão na retaguarda e serão alocados para o atendimento de pacientes com coronavírus caso aconteça a lotação do Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais (HU-UEPG).

Na tarde de sexta-feira (22), sete pacientes com Covid-19 de diversas cidades da região foram internados na UTI do Hospital Universitário recebeu, elevando para a categoria amarela o nível de ocupação dos leitos. 

“Se nós chegarmos ao limite máximo, o Hospital Bom Jesus está preparado com 10 leitos especialmente preparados para atender pacientes com coronavírus. Em uma ou duas semanas, o Hospital Universitário terá mais 20 UTIs. Se não for o suficiente, nós vamos optar pelos outros leitos que Ponta Grossa também têm nos outros hospitais” comenta Rangel. 

O prefeito explicou que o Hospital Universitário, que atende cerca de 1 milhão de habitantes de toda a região dos Campos Gerais, reservou 10 leitos de UTI numa ala especializada para atender os casos de Covid-19. 

“O que nos preocupou é que foi da noite para o dia. Foi muito rápido. No final da tarde de sexta-feira (22) nós tínhamos apenas um paciente na UTI e de repente chegaram sete de uma vez só”, relata Rangel. Além dos casos do interior, o Hospital Universitário também está atendendo dois pacientes de Ponta Grossa que estão internados na UTI.

De acordo com Rangel, estudos da equipe de epidemiologia da Fundação Municipal de Saúde apontam que o aumento de atendimento de casos graves nos hospitais da região dos Campos Gerais se deve às comemorações no Dia das Mães. “O Dia das Mães prejudicou muito o controle da doença. Teve muita confraternização e a gente até entende que as pessoas estavam morrendo de saudade dos seus familiares. Além, é claro, da movimentação para comprar presentes”, enfatiza.

O prefeito lembra ainda que muitas pessoas trabalham nas cidades grandes e voltam para o interior nos feriados e datas comemorativas e, muitas vezes, acabam levando o vírus. 

As declarações foram dadas durante o ‘Programa Nilson de Oliveira’, transmitido pela ‘Rádio Mundi FM.