Sexta-feira, 03 de Dezembro de 2021
foto: Clebert Gustavo

Mabel e Joce Canto anunciam emenda para a realização de exames de ultrassom para gestantes em PG

19/11/2021 às 18:04

Parlamentares ponta-grossenses utilizaram as redes sociais para comentar sobre o descaso com as gestantes do SUS de Ponta Grossa, que não estão podendo realizar exames de ultrassonografia obstétrica, para verificar a saúde e formação de seus bebês

A deputada Mabel Canto e a vereadora Joce Canto (PSC) anunciaram nessa tarde de sexta-feira (19), a destinação de uma emenda parlamentar no valor de R$ 50 mil ao Município de Ponta Grossa. O valor da emenda impositiva deverá ser aplicado na contratação de exames de ultrassonografia obstétrica em benefício das gestantes de Ponta Grossa.

Segundo informações divulgadas pela imprensa e levantadas no Portal da Transparência, o Município de Ponta Grossa não está fornecendo os serviços de realização de exames de ultrassom obstétrico desde outubro, quando venceram os credenciamentos 078, 087, 086, 077 e 088 de 2020 e até agora, não abriu nova licitação ou realizou novos contratos de credenciamento de prestação do serviço, deixando passar os prazos para abertura dos procedimentos licitatórios, num verdadeiro descaso com as gestantes usuárias do SUS.

A fila de mulheres grávidas que aguardam a realização de um exame de ultrassonografia obstétrica em Ponta Grossa, que já chegou a mais de 1700 em 2020, atualmente encontra-se com 696 gestantes, sendo de 18 mulheres a fila das que aguardam o exame de ultrassom obstétrico morfológico e 75 das que aguardam o exame de ultrassonografia obstétrica com doppler colorido e pulsado.

“Este é mais um descaso com a saúde de Ponta Grossa. Como se não bastasse o que as nossas crianças estão sofrendo com a transferência do Pronto Atendimento Infantil do HUMAI para a UPA Santa Paula, agora, as nossas gestantes, novamente, não estão conseguindo realizar o seu ultrassom obstétrico”, disse Mabel Canto.
No mesmo sentido, a vereadora Joce Canto lamentou a situação das gestantes de Ponta Grossa e anunciou a emenda impositiva que será destinada em benefício da Atenção Primária Municipal: “Hoje estamos trazendo uma emenda impositiva no valor R$ 50 mil reais para ajudar as nossas gestantes a realizar esse exame tão importante que é o ultrassom obstétrico”.

Conforme o Protocolo Municipal de Pré-Natal de Baixo Risco de Ponta Grossa, disponível na rede mundial de computadores, o Município deveria garantir a realização de 02 exames de ultrassom obstétrico por gestante. Tal exame, serve para detectar precocemente gestações de múltiplos e ajuda no diagnóstico de más-formações fetais, sendo capaz de fornecer informações importantes como idade gestacional, análise morfológica (órgãos do feto e estruturas), sexo, batimento cardíaco, se há deslocamento da placenta, se a gravidez é fora do útero (ectópica), alterações cardíacas, entre outros como síndrome de Down e lábio leporino.

Em nota à imprensa, a Fundação Municipal de Saúde disse que o motivo da suspensão dos atendimentos seria a ausência de renovação do contrato com o consórcio intermunicipal de saúde, quando na realidade, a obrigação de fornecer o exame de ultrassonografia obstétrica é do município, restando ao Consórcio, caso o Município fosse consorciado, a possibilidade de realização dos exames de ultrassonografia morfológica.

 

da Assessoria