Domingo, 14 de Agosto de 2022

No vai e vem das composições, Aline Sleutjes mantém lealdade a Bolsonaro

04/08/2022 às 13:20
Foto: Marcos Corrêa/PR

Apesar das disputas internas no comando Partido Republicano da Ordem Social (PROS), que podem alterar significativamente o apoio de candidaturas no Paraná, a pré-candidata ao Senado Aline Sleutjes confirma que manterá seu apoio ao presidente Bolsonaro independente da definição da sigla. “Minha fidelidade e apoio não tem data de validade nem cobrança. Nunca usei o presidente de bengala, ao contrário, sempre levei seu nome e o trabalho do seu governo aos quatro cantos do estado. Com seu apoio ou sem, irei até o final ao seu lado, pois acredito em seu trabalho e é o candidato que representa as minhas pautas e o que o país precisa”, afirmou. Ela ainda destaca a confiança que tem no atual comandante do país. “Sou Bolsonaro por opção e convicção, e se eleita continuarei sendo seu voto certo agora no Senado. Sou vice-líder do governo no congresso porque represento este governo e seus princípios desde que cheguei em Brasília”, conclui Sleutjes.

A afirmação da pré-candidata ao Senado vem após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) revogar, na noite desta quarta-feira (03), uma decisão do próprio órgão no processo que trata da presidência do PROS – clique aqui para acessar o documento. A resolução reconduz Marcus Vinicius Chaves de Holanda ao comando da executiva nacional, substituindo Eurípedes Gomes de Macedo Júnior, que havia conquistado no STJ o comando do partido. A mudança reflete diretamente nos possíveis apoios que a sigla virá a oferecer nas eleições. Caso Holanda comande o PROS, o partido deve fazer aliança com o governador Ratinho Junior (PSD) e manter a candidatura de Pablo Marçal. Se Eurípedes estiver à frente, a sigla pode ir de encontro à candidatura de Roberto Requião (PT) e apoiar o ex-presidente Lula.