Sexta-feira, 14 de Junho de 2024

“O risco de transmissão da COVID-19 por um morto é muito pequeno”, afirma infectologista de PG

2020-08-21 às 10:34

Na tarde de quarta-feira (19) o velório de um homem de 45 anos, no Parque Nossa Senhora das Graças, causou confusão e indignação na família. O paciente foi internado no Hospital Regional Universitário dos Campos Gerais (HU-UEPG) com problemas respiratórios, mas não resistiu e acabou falecendo. Durante o internamento, foram feitos testes para identificar uma possível contaminação por coronavírus, mas a doença foi inicialmente descartada. A confirmação para a COVID-19 só veio quando a família já estava velando o corpo. 

De acordo com o protocolo adotado pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, o corpo de pacientes que faleceram com confirmação ou suspeita de COVID-19 devem encaminhados direto para cemitério ou crematório. A família apenas teve 20 minutos para se despedir, numa cerimônia a céu aberto e com o caixão lacrado.

Palavra do especialista

O D’Ponta News conversou com Gerson Czelusniak, médico infectologista com atuação em Ponta Grossa. Segundo ele, o risco de transmissão da doença por um cadáver é muito pequeno. “O risco de transmissão da COVID-19 por um morto é muito pequeno. A chance maior de pegar o vírus é estando em contato próximo com alguém infectado que tossiu ou espirrou”, explica.

Sobre os cuidados com o vírus, Gerson reforça a importância de se proteger adequadamente. “Sempre reforçando que a proteção existente nesse momento é a máscara, distanciamento social e higienização da mãos com álcool gel”, completa.

Quando indagado sobre qual o pensamento dele em relação a realização ou não de velórios para os mortos de COVID-19, o doutor responde que esse é um tema delicado e que só quem passa pela situação de perder um familiar nessas condições pode saber qual é a dor. “Esse tema é bem delicado, não consigo imaginar a dor de quem perde um familiar em decorrência do vírus, é uma coisa muito dramática. Mas minha opinião é que seria possível uma flexibilização, dentro de uma certa rigidez, dentro do protocolo de prevenção”, relata.

Médico infectologista, Dr. Gerson Czelusniak

Prefeito defende flexibilização dos velórios

Na manhã de quinta-feira (20), o prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel, revelou no programa em que apresenta no rádio, ser favorável a autorização para velório de pacientes que faleceram com suspeita ou confirmação da COVID-19. O posicionamento contraria as recomendações dos especialistas e das autoridades de saúde.

“Eu penso diferente. Eu acho que deveria sim liberar o velório, afinal esse é o momento mais difícil para uma família. Eu penso que essa doença é a mais terrível justamente pelo fato de não poder se despedir”, afirma Rangel. Ele acrescenta que está trabalhando em um novo protocolo para que as famílias possam dar adeus aos seus entes queridos.

De acordo com o protocolo internacional, adotado também pela Prefeitura Municipal de Ponta Grossa, o corpo de pacientes que faleceram com confirmação ou suspeita de COVID-19 devem encaminhados direto para cemitério ou crematório. A família apenas de 20 minutos para se despedir, numa cerimônia a céu aberto e com o caixão lacrado. “Eu não concordo com isso. É trágico demais você não poder dar o último adeus”, reforça o prefeito. 

Por: Matheus Fanchin | Foto: UEPG/PMPG