Paraná investiu R$ 1,7 bilhão no combate à pandemia de Covid-19 | D'Ponta News - Notícias do Paraná - Jornalismo sério para leitores exigentes!
Sábado, 24 de Fevereiro de 2024

Paraná investiu R$ 1,7 bilhão no combate à pandemia de Covid-19

2023-03-13 às 09:28
Foto: José Fernando Ogura/Arquivo AEN

Há três anos, o Paraná confirmava os primeiros casos de Covid-19, dando início a um período duro, de muitas perdas e transformações. A vacinação, principal ferramenta para conter a doença, o apoio da sociedade, a integração entre os entes públicos e o investimento do Governo do Estado – que soma R$ 1,7 bilhão – possibilitaram chegar a um cenário de quase normalidade.

As medidas necessárias para combater uma doença ainda sem muitos estudos eram urgentes e o Estado agiu prontamente, ainda antes da confirmação dos primeiros casos. Entre as estratégias, merecem destaque a abertura de mais de 2 mil leitos UTI específicos para Covid-19, a compra de respiradores e oxigênio, a distribuição de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), a contratação de mais profissionais da área médica e a entrega de três hospitais regionais.

O investimento de R$ 1,7 bilhão foi construído a partir de distintas fontes de recursos. De maneira direta, o Tesouro do Estado empenhou R$ 754,9 milhões. O restante se deu em repasses transferidos pela União, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), doações e outras fontes de arrecadações.

Os recursos foram aplicados de maneira descentralizada e com caráter permanente, o que tirou do radar do Estado os hospitais de campanha, de lona. Houve investimento para construção de hospitais de alvenaria, abertura e remanejamento de leitos clínicos especializados e apoio direto a hospitais privados e filantrópicos.

Atualmente o Estado colhe os frutos de um robusto legado estrutural. Para o secretário de Estado da Saúde, César Neves, a priorização do investimento em unidades definitivas, em oposto a postos provisórios, garantiu resultados que começam a ficar muito claros.

“No Paraná não tivemos hospitais de lona. Optamos por investir na estrutura própria e expandi-la, sendo os maiores exemplos dessa estratégia os três hospitais regionais, de Ivaiporã, Telêmaco Borba e Guarapuava. Essas unidades, à época entregues seis meses antes do previsto, foram um marco no enfrentamento à pandemia e hoje se tornaram referência em suas regiões”, reforçou

Outro legado deixado pelos investimentos do Governo do Estado aconteceu pela abertura de novos leitos, um grande avanço na capacidade de atendimento à população, principalmente em cidades que não tinham, como Goioerê, Colorado, Assis Chateaubriand, Chopinzinho, Cerro Azul, Missal, Nova Aurora, Astorga e Santo Antônio da Platina.

Antes do início da pandemia o Paraná possuía cerca de 1,2 mil leitos de UTI gerais no SUS. Para atendimento à Covid-19, em poucos meses, o Governo mais que dobrou este número, criando mais 2 mil leitos exclusivos para a doença no pico da crise sanitária. Hoje, estão à disposição dos paranaenses em torno e 3,2 mil leitos UTI.

VACINAS – Em paralelo com a fase mais aguda da ocupação de leitos, o Paraná também investiu em treinamento, geladeiras, seringas e toda a estrutura necessária para a distribuição de imunizantes e aplicação célere na população. Com o avanço da doses, a doença foi controlada, permitindo inclusive a retomada da normalidade sem máscaras.

GARGALOS – Com um quadro estável, o Estado se concentra, agora, no enfrentamento dos gargalos resultantes da pandemia. Retomada das cirurgias eletivas, investimentos em saúde mental e atendimento aos sequelados da Covid-19 são alguns dos principais pontos deste cenário.

“Este é um momento de retomada e fortalecimento. Uma das áreas mais afetadas foi a das cirurgias eletivas, que tiveram de ser adiadas. Nesse quesito, uma grande ferramenta é o Programa Opera Paraná. Para a execução de sua primeira fase, foram elencados R$ 150 milhões, o que nos permite desafogar a fila de espera e assegurar atendimento a todos os paranaenses”, ressaltou o secretário.

Uma segunda etapa do Opera Paraná já está prevista pelo Governo do Estado. Com expectativa de início para abril de 2023, essa nova fase também deve receber um aporte de R$ 150 milhões, totalizando um investimento geral de R$ 300 milhões destinados a procedimentos cirúrgicos eletivos.

Outro ponto importante é o atendimento de pacientes que tiveram sequelas da Covid-19. Para isso, o Estado distribuiu aos municípios, após uma reestruturação completa de frotas,1.485 veículos, num valor total de R$ 51,2 milhões, para o fortalecimento da Estratégia da Saúde da Família (ESF), tendo como uma das finalidades expandir o acesso ao atendimento a estas pessoas.

A Sesa também disponibilizou outros R$ 67,7 milhões aos municípios para aquisição de novos veículos. A ESF é aquela que tem contato próximo com as comunidades para avaliação de casos como diabetes, hipertensão, problemas cardiovasculares e problemas respiratórios decorrentes da pandemia, etc.

“A recuperação dos sequelados é uma de nossas principais missões. Os veículos adquiridos para a ESF contribuem para manter os pacientes em atendimento constante, garantindo que ninguém fique desassistido”, explicou Neves.

Ele destaca que, ainda nesta linha, há também os recursos provenientes da Resolução 870/2021 que, até o momento, destinou cerca de R$ 7 milhões para a reabilitação destes pacientes. Os recursos são destinados para fisioterapia, equipamentos, e outras medidas que possam contribuir para a recuperação destas pessoas.

SAÚDE MENTAL – Em parceria com a Escola Pública de Saúde (ESPP), a Sesa formou, ao fim do último ano, mais de mil profissionais no Curso de Aperfeiçoamento em Saúde Mental para a Atenção Primária em Saúde. Além dessa capacitação, também foi realizada a V Conferência Estadual de Saúde Mental, na qual foram eleitos 64 delegados para representar o Estado na etapa nacional, que acontecerá em maio, em Brasília.

O Governo do Estado também autorizou, em fevereiro de 2022, o incremento de 40% no valor pago das diárias para leitos de psiquiatria ofertados pelo SUS para atendimento de adultos e adolescentes. Atualmente, o Paraná conta com cerca de 1.800 leitos em Hospitais Especializados em Psiquiatria.

“A saúde mental é um gargalo que merece atenção especial, principalmente por ser, muitas das vezes, um fenômeno mais silencioso. A pandemia trouxe diversos fatores que contribuíram para agravar estes casos. Por isso, temos realizado capacitações e investimentos para lidar de maneira efetiva com este cenário. O Paraná tem uma rede pronta para atender quem precisa de ajuda”, pontuou.

Veja o orçamento utilizado pelo Governo do Paraná para o combate à Covid-19:

2020

Total empenhado: R$ 692.169.086,74

2021

Total empenhado: R$ 878.080.145,45

2022

Total empenhado R$ 151.149.626,17

da AEN