Quinta-feira, 09 de Dezembro de 2021
foto: Clebert Gustavo

Ponta Grossa não registra casos de feminicídio durante quarentena; no Paraná o aumento foi de 17,5%

04/06/2020 às 15:06

Um levantamento feito pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) aponta que aumentaram os casos de feminicídio no estado durante a pandemia de coronavírus. De acordo com os dados, o aumento foi de 17,5% na comparação entre março e abril deste ano e os mesmos meses do ano passado, passando de 40 para 47 casos. É considerado feminicídio o assassinato de uma mulher cometido devido ao desprezo que o autor do crime sente quanto à identidade de gênero da vítima.

No entanto, não é só o Paraná que está tendo que lidar com a questão do aumento de casos. Um estudo feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) registrou aumento de 22,2%, entre março e abril deste ano, dos casos de feminicídio em 12 estados do país. Acre, Maranhão e Mato Grosso são os estados com maiores índices.

Ponta Grossa na contramão do índice

Segundo o delegado Fernando Jasinski, responsável pelo setor de homicídios da 13ª SDP, Ponta Grossa está na contramão dessa estatística. “Tivemos apenas dois casos de feminicídio registrados em 2020, em fevereiro, antes da pandemia. Não temos nenhum feminicídio registrado durante a quarentena”, afirma.

Dificuldade para conseguir proteção

De acordo com o estudo feito pelo FBSP, o número de boletins de ocorrência que tratam de violência contra a mulher registraram queda. Dentre os fatores que explicam a situação, a convivência mais próxima dos agressores pode impedir as vítimas de pedirem socorro e se dirigirem à delegacias ou centros especializados.

Saiba como denunciar

Discando gratuitamente para os telefones 180 ou 100 é possível fazer denúncias para casos de violência doméstica e também receber orientações sobre direitos e outros serviços próximos. Já casos de violência ou assédio podem ser denunciados através do 190, a qualquer hora do dia ou da noite. A Ouvidoria Nacional também pode ser acionada por mensagem eletrônica, enviada para: [email protected]

da redação com informações do Bem Paraná