Terça-feira, 21 de Maio de 2024

Ponta-grossense faz campanha para pagar tratamento contra o câncer

2020-05-05 às 11:08

Para vencer a luta contra o câncer, Ana Claudia Roth conta com a solidariedade. Após ser diagnosticada com um tumor maligno na mama esquerda, ela fez uma campanha nas plataformas de financiamento coletivo para ajudar nas despesas com cirurgias e exames.  O valor estimado é de R$ 80 mil.

Esta pode ser a segunda vez que Ana Claudia vence a doença. Em 2011, ela foi diagnosticada com um câncer maligno no útero e teve que se submeter a uma cirurgia. “Eu optei por fazer a retirada completa do útero, ovário e trompas. Como o tumor ainda estava no início, não precisei passar pela quimioterapia ou radioterapia”, conta.

Desde então, ela vem fazendo acompanhamento médico uma vez por ano. Em novembro, durante um exame de toque, Ana Claudia percebeu um nódulo na mama esquerda. Após exames e biopsia, foi confirmado que se trata de um tumor maligno. Inicialmente, o tratamento indicado é a quimioterapia e posteriormente a cirurgia para retirada da mama.

“Para evitar que eu precise fazer quimioterapia, na última consulta a minha médica pediu um exame que só é realizado fora do Brasil”, conta. Ele se chama MammaPrint e permite conhecer as características biológicas da doença, agressividade de cada tumor e identificar o risco de metástase. O exame é realizado nos Estados Unidos e custa cerca de R$ 20 mil reais.  

Ana Claudia também aguarda para amanhã (6) a chegada do resultado de um teste genético que indica a propensão ao câncer. “Dependendo do resultado do exame, pode ser necessário retirar as duas mamas. Isso significa que eu teria que ficar parada por 30 a 60 dias”, explica. 

De acordo com Ana Claudia, o plano de saúde cobre 30% do tratamento e os 70% será por conta própria. “Eu usei todas as minhas economias e fiz os primeiros exames tudo no particular. Não quero nem ver quando os boletos chegarem este mês”, brinca.

Ana é podóloga e viu sua renda diminuir devido à pandemia de Covid-19. “Eu tenho consultório próprio e a queda no movimento de clientes foi brusca. Ontem mesmo não tinha ninguém, hoje tem meia dúzia de gato pingado. Mas isso não é só para mim, é para todo mundo”, pondera.

A ideia de fazer uma campanha de financiamento coletivo veio da irmã Simone, que precisou convencer Ana Claudia a aceitar a ajuda. “Ela me falou: você tem tanta fé em Deus, está sempre na igreja, está sempre ajudando. Não há porque você não pedir ajuda agora que está precisando”, conta.

Quem puder contribuir financeiramente pode acessar a plataforma de financiamento coletivo clicando aqui

Quem preferir, pode realizar a transferência com os seguintes dados:

  • Caixa Econômica
  • Ag: 3304
  • CC: 23443-4
  • Operação: 001
  • Titular: Ana Claudia Roth

Imagem: Reprodução/Internet