Sexta-feira, 14 de Junho de 2024

Rangel pretende anunciar novo protocolo para velórios de pessoas que faleceram com COVID-19 ainda nesta semana

2020-08-24 às 08:39

Na manhã desta segunda-feira (24), o prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel revelou que, ainda nessa semana, deverá ser anunciado um novo protocolo para que os familiares possam se despedir dos pacientes que faleceram em decorrência da COVID-19. Ele acrescentou que os técnicos do Comitê de Operações Emergenciais (COE) irão elaborar uma série de restrições e medidas de segurança para evitar o contágio pelo novo coronavírus. 

Na semana passada, Rangel já havia sinalizado que é contra o protocolo adotado no município que impede a realização do velório para as pessoas que faleceram em decorrência da COVID-19. “É comum as pessoas darem opinião quando não estão sentindo na pele. Eu sei o que acontece quando uma família perde um ente querido com COVID-19, porque eu acompanhei algumas famílias desesperadas para, pelo menos, se despedir pela última vez de um pai, de uma mãe”, frisa.

O posicionamento do prefeito causou polêmica e ele foi duramente criticado nas redes sociais. “Eu sabia que seria muito criticado, mas eu digo novamente para vocês que não existe nada mais desumano do que, infelizmente, você não poder se despedir daquela pessoa que você ama”, ressalta. “É pior do que a própria doença. É pior do que você ficar naquela agonia esperando que a pessoa se reestabeleça”, acrescenta.

Rangel acredita que, nesse momento de tanta tristeza, é preciso se colocar no lugar do outro. “Pense se você perde a sua mãe ou o seu pai. A pessoa entra no hospital e você nunca mais você vê. Você torce para ela se recuperar e, infelizmente, perde ela para a doença”, comenta. “Não queiram passar por isso. É a coisa mais horrível do mundo. É a pior coisa dessa doença”, enfatiza.

Ele reforça que as pessoas imaginam que o falecido transmite para as outras pessoas, mas isso não é verdade. “O falecido não respira, não tosse, não espirra, ele não fala. Quem transmite é a pessoa viva. A preocupação não é com o falecido, é com as outras pessoas”, destaca.

Entretanto, o prefeito admite, se os velórios forem liberados, precisam ser estabelecidas medidas para evitar aglomerações. “A aglomeração é o problema, principalmente porque provavelmente outras pessoas da família também pegaram a doença. Mas se a aglomeração é o problema, então não poderia ter o velório de ninguém mais”, avalia.

Rangel também reconhece que o contágio pelo novo coronavírus pode ser facilitado nos funerais. “É claro que nos velórios é mais suscetível a transmissão, mas não por causa do falecido é porque as pessoas se abraçam naquele momento de tristeza. Como é que você vai impedir o abraço num momento desses?”, questiona.

Ele afirma ainda que o protocolo que impede a realização de velórios para as pessoas que faleceram de COVID-19 não é internacional e que em alguns países é possível se despedir, porém com restrições para evitar o contágio.

As declarações foram dadas durante o ‘Programa Nilson de Oliveira’, apresentado por Rangel na Rádio Mundi FM.