Quinta-feira, 07 de Julho de 2022

Varíola dos macacos: ao menos dez países têm casos confirmados; veja lista

21/05/2022 às 11:20

Os casos de varíola dos macacos em humanos têm se espalhado principalmente pela Europa após a confirmação do primeiro paciente com a doença no Reino Unido, no dia 7 de maio.

De acordo com levantamento realizado pela CNN e atualizado nesta sexta-feira (20), ao menos dez países confirmaram casos da doença até o momento: Reino Unido, Espanha, Itália, Portugal, Austrália, Bélgica, França, Alemanha, Canadá e Estados Unidos. A Holanda investiga casos suspeitos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) acompanha o cenário epidemiológico e convocou reunião de emergência sobre o assunto.

O primeiro caso confirmado da doença no Reino Unido, que disparou o alerta da OMS, foi informado à entidade no dia 7 de maio. O paciente, que viajou do Reino Unido para a Nigéria, desenvolveu uma erupção cutânea no dia 29 de abril e retornou ao Reino Unido em 4 de maio. A suspeita de varíola dos macacos levou o paciente imediatamente para o isolamento.

Características da doença

A varíola dos macacos (Monkeypox) é uma doença transmitida de animais para humanos (zoonose) silvestre. As infecções humanas incidentais ocorrem esporadicamente em partes florestais da África Central e Ocidental.

A doença é causada pelo vírus da varíola dos macacos, que pertence à família dos ortopoxvírus, e pode ser transmitido por contato e exposição a gotículas exaladas. O período de incubação da varíola dos macacos é geralmente de 6 a 13 dias, mas pode variar de 5 a 21 dias.

A doença é muitas vezes autolimitada com sintomas geralmente desaparecendo espontaneamente dentro de 14 a 21 dias. Os sintomas podem ser leves ou graves, e as lesões podem ser muito pruriginosas ou dolorosas.

O reservatório animal permanece desconhecido, embora seja provável que esteja entre os roedores. O contato com animais vivos e mortos através da caça e do consumo de caça ou carne de caça são fatores de risco conhecidos.

Existem dois grupos de vírus da varíola dos macacos, o da África Ocidental e o da Bacia do Congo (África Central). Embora a infecção pelo vírus da varíola dos macacos na África Ocidental às vezes leve a doenças graves em alguns indivíduos, a doença geralmente é autolimitada.

A taxa de mortalidade de casos para o grupo da África Ocidental foi documentada em cerca de 1%, enquanto para o da Bacia do Congo, pode chegar a 10%. As crianças também estão em maior risco, e a varíola durante a gravidez pode levar a complicações, como varíola congênita ou morte da criança.

Casos mais leves de varíola podem passar despercebidos e representar um risco de transmissão de pessoa para pessoa. É provável que haja pouca imunidade à infecção naqueles que viajam e expostos, pois a doença endêmica é geograficamente limitada a partes da África Ocidental e Central.

Embora uma vacina tenha sido aprovada para a prevenção da varíola, e a vacina tradicional contra varíola também forneça proteção, esses imunizantes não estão amplamente disponíveis.

da CNN