Terça-feira, 21 de Maio de 2024

Vereadores rejeitam abertura de Comissão Parlamentar Processante (CPP) contra prefeita Elizabeth

2022-09-12 às 16:39
Foto: Arquivo/CMPG

Na sessão ordinária desta segunda-feira (12), a Câmara Municipal de Ponta Grossa rejeitou a abertura da Comissão Parlamentar Processante (CPP), movida pelo vereador Geraldo Stocco (PV) contra a prefeita Elizabeth Schmidt (PSD). Ao todo, foram 16 votos contrários, uma abstenção e apenas um voto favorável.

Segundo o autor do requerimento, o pedido de cassação se baseou em vários aspectos da investigação iniciada em maio deste ano, especialmente a falta de médicos nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), o fechamento precoce do Pronto Socorro Municipal (PSM) e o abandono da UBS Antonio Saliba.

Para a votação do pedido, o vereador Professor Careca, suplente de Geraldo Stocco, foi convocado para a posse.

Discussão

Entre os destaques da discussão referente à abertura da CPP, Daniel Milla (PSD) defendeu que todos os vereadores têm o direito de questionar e fazer com que suas ideias sejam ouvidas, porém considera o pedido “precipitado” já que o resultado final da CPI da Saúde ainda não foi concluído. “Temos que parar de pensar em questões políticas, eu respeito a opinião de cada vereador, mas precisamos de atos. […] É uma discussão muito ampla, vamos realizar uma audiência pública para a saúde municipal, convidando os procuradores, chefes e pessoas interessadas em trazer soluções para o município”, diz. Ele ainda se posiciona. “Não irei compactuar, respeito meu colega, mas não irei votar porque não está comprovado nesta denúncia de que a prefeita fez algo de errado em relação à administração municipal”, diz.

Joce Canto (PSC), integrante da CPI da Saúde também se manifestou contrariamente ao pedido. “Com todo o respeito ao Geraldo Stocco, precisamos respeitar o tempo da CPI da Saúde, que vem fazendo uma investigação, ouvindo pessoas e também para não tirar o descrédito desta CPI. Estamos há quatro meses ouvindo pessoas, visitamos a UPA, o Hospital Municipal, fazendo um trabalho de leitura de documento, acredito que não é o momento de abertura dessa CPP”, afirma.

Para o vereador Paulo Balansin (PSD), o pedido de abertura da CPP tem um viés político. “O que aconteceu hoje fica ruim até para a Câmara, a gente vê que é uma coisa política, desmoraliza quem não tem culpa nenhuma. Eu sou da bancada da prefeita, mas se tiver alguma irregularidade na CPI eu serei a favor”, pontua.

Durante sua fala, Izaías Salustiano (PSB) destaca que “para falar de improbidade administrativa é preciso comprovar que teve a intenção, omissão ou favorecimento, mais intencional. Essa documentação serve como indício, início de prova, mas não como prova final. O nosso papel principal é fiscalizar. Me manifesto contrariamente”, diz.

Josi do Coletivo (PSOL) foi a única parlamentar a se posicionar favoravelmente à abertura da CPP. “Nós votaremos favoráveis porque há alguns indícios concretos, porém nós deixamos claro de que gostaríamos que fosse em outro momento, gostaríamos de ter o relatório final em mãos, até em respeito ao excelente trabalho que está sendo realizado pela CPI da Saúde”, destaca.

Confira a sessão na íntegra:

Relembre o caso

Vereador pede cassação da prefeita Elizabeth por caos na saúde