Sábado, 13 de Julho de 2024

Escola da zona oeste de Londrina recebe primeira parede de escalada da rede municipal

2023-05-22 às 14:15
Foto: Emerson Dias

Os alunos da Escola Municipal Cecília Hermínia Oliveira Gonçalves, localizada na rua Lourenço da Veiga, 241, no Jardim Sabará I (zona oeste) começaram a semana de uma forma diferente. Eles inauguraram a primeira parede de escalada na modalidade Boulder, da rede municipal de ensino. Ao todo, até o final deste ano, 30 unidades escolares receberão o equipamento para a prática de escalada horizontal.

Na escalada Boulder, os participantes são desafiados a praticar travessias horizontais, por isso não é necessário utilizar equipamento de segurança como capacetes e cadeirinhas. As paredes são feitas utilizando placas modulares de 160cm de largura por 220cm de altura e 18mm de espessura, para que os pés fiquem de 30 a 40 cm de altura do chão, que está protegido com placas de EVA ou tatames. Elas também contam com uma leve inclinação de 5 graus, para evitar que, ao deslizar, a criança machuque o joelho. Com isso, os alunos da rede municipal de ensino não têm perigo de sofrer quedas altas ou se machucar praticando a escalada indoor.

Segundo a secretária municipal de Educação, Maria Tereza Paschoal de Moraes, como a prática da atividade sempre será feita sob orientação do professor de educação física e a altura da escalada é baixa, a prática é segura. “Historicamente as crianças deixaram de brincar na rua e de subir tanto em árvore, então ter isso na escola é muito importante, porque, como é o professor de educação física que faz a formação para dar aula, ele sabe quais são os princípios que regem esse esporte, como a dignidade humana, solidariedade e a colaboração. É mais um recurso além da quadra, da bola, da rede e da trave que a gente tem. Será uma prática segura, porque a gente vê que o máximo que elas sobem é nos primeiros lugares de colocar o pé; não é muito alto e elas sempre têm a orientação do professor”, elucidou.

O sócio-fundador da Crux Agarras e escalador profissional, Fábio Gioffrê, explicou como será o uso da parede de escalada. “Aqui, o único equipamento de segurança necessário são os tapetes de EVA, que as escolas já têm. E, como sugestão, a gente tem os espaguetes de piscina, que criam dificuldades e tipos de brincadeiras diferentes, porque as crianças vão estar ali a 40 cm de altura do pé delas de distância do solo e a parede tem uma altura máxima de 2,20 metros, que é uma altura segura, porque é quase a altura do batente de uma porta”, tranquilizou os pais.

A aluna do 4º ano B, Yolanda Domingues, de 9 anos, foi a primeira a inaugurar a parede e contou que já havia brincado de escalar fora da escola. “A aula [de educação física] vai ser bem legal. Eu já tinha feito isso outras vezes no parquinho e hoje foi a primeira vez aqui na escola. Estou bem empolgada”, contou.

Nesse primeiro momento, 30 escolas municipais irão receber a parede de escalada, que será entregue e instalada pela Crux Agarras, vencedora da licitação. A empresa tem o prazo contratual de 12 meses para realizar a produção e a instalação das placas, a contar deste mês e, para tanto, receberá R$ 390 mil. “A nossa ideia é finalizar bem antes disso, porque a gente está produzindo em escala e a gente quer ver funcionar o mais rápido possível, quer ver as crianças escalando. Isso é o que motiva: ver hoje toda essa criançada animada. Nosso plano é entregar antes dos 12 meses com qualidade e seguindo os padrões do edital. Até fizemos uns aprimoramentos por conta própria, que a gente acredita que funciona e porque queremos entregar uma coisa melhor para o Município. É uma super ferramenta aprimorada, representando ainda mais a escalada. O que está sendo feito aqui é realmente um modelo a ser seguido no Brasil todo”, destacou Gioffrê.

Cada escola receberá de três a cinco placas dependendo do espaço que elas disponibilizam para a instalação adequada do equipamento, por isso, o valor médio investido em cada unidade será de R$ 13 mil. Apesar de ser uma novidade na rede municipal de ensino de Londrina, a prática de esporte de aventura já vem sendo estimulada pelo Governo Federal, por meio da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), documento de caráter normativo que define o conjunto orgânico e progressivo de aprendizagens essenciais que os alunos devem ter na educação básica. Além disso, está cada vez mais comum encontrar muros de escalada, circuitos de arvorismo e tirolesas em salões de festas infantis e outros locais onde essas práticas são destinadas.

O coordenador de Educação Física na Secretaria Municipal de Educação e professor de educação física, Luciano Pizi, explicou que, desde o ano, a Secretaria de Educação vem conhecendo mais sobre as práticas de esportes de aventura que podem ser colocados nas escolas. Isso porque, durante o evento Londrina Mais do ano passado, os professores tiveram a palestra do dr. Dimitri Wuo Pereira, que é um expert em escalada na escola, como possibilidade estratégica de ensino para os anos iniciais. “Essa é uma atividade que vai ao encontro da BNCC; é quase que uma obrigação das escolas oferecerem essas práticas corporais de aventura. A ideia da educação física é usufruir disso como experimentação, conscientização corporal, reconhecimento do ambiente onde a criança está e reconhecimento da natureza, porque essa prática também pode ser feita em ambientes naturais. Então, a ideia da educação física é fazer essa criança experimentar aqui na escola, para transcender esse conhecimento para a vida dela depois”, falou.

Entre os benefícios da escalada, além do ganho de massa muscular, estão: o desenvolvimento de uma maior consciência corporal do praticante, identificando seus limites e suas potencialidades; o desenvolvimento de habilidades motoras e de coordenação; o aumento da massa óssea, evitando fraturas; aumento da flexibilidade e do equilíbrio; o aprender a lidar com os medos e as inseguranças; desenvolvimento da capacidade de concentração, de atenção e de foco; o desenvolvimento do pensamento tático e estratégico; o aumento da capacidade de resolver problemas e de fazer escolhas; o desenvolvimento da comunicação, do autocuidado, da empatia, cooperação, de saber lidar com a imprevisibilidade diante do cenário desafiador, da socialização, além de ser um momento de recreação para as crianças.

Formação continuada – Para que todos os professores de educação física estejam preparados para utilizar a parede de escalada e saibam orientar corretamente os alunos, na manhã desta segunda (22), a Secretaria Municipal de Educação iniciou uma capacitação. Aproximadamente 35 professores de educação física participaram de quatro horas de formação com o escalador profissional, Fábio Gioffrê. Durante o período da tarde, outros 35 professores vão passar pelo mesmo curso, totalizando aproximadamente 70 pessoas.

No treinamento, Gioffrê explicará os princípios da escalada e como os professores devem cuidar e orientar os alunos. “Nós elaboramos uma formação para que os professores consigam usar essa parede da melhor forma possível. Trouxemos o Fábio, porque ele é escalador profissional e ajudou a montar a parede. Ele nos deu uma explicação técnica sobre como fazer, sobre a segurança e estamos dando algumas ideias e intervenções pedagógicas para que os professores possam usá-las nas aulas de educação física”, pontuou Luciano Pizi.

Quem vai receber – Inicialmente, vão receber a parede de escalada, as Escolas Municipais Cecília Hermínia Oliveira Gonçalves; Maria Tereza Meleiro Amâncio; Leonor Maestri de Held; Corveta Camaquã; Professora Geni Ferreira; Jovita Kaiser; Noêmia Malanga; Hélvio Esteves; Ignez Corso; Salim Aboriham; Eugênio Brugin; Joaquim Pereira Mendes; Mábio Gonçalves Palhano; Maria Carmelita Vilela Magalhães; Zumbi dos Palmares; Moacyr Teixeira; Francisco Pereira de Almeida Junior; José Garcia Villar; Maria Shirley Barnabé Lyra; Miguel Bespalhok; Maestro Roberto P. Panico; Roberto Alves Lima Junior; Edmundo Odebrecht; e Luiz Marques Castelo.

da assessoria