Segunda-feira, 15 de Julho de 2024

Mulher Negra é festejada no Àjọ̀dún das Pretas em Londrina

2023-05-18 às 14:44

Será realizado neste sábado (20), a partir das 16h, o evento festivo Àjòdún das Pretas: Eu, mulher negra, resisto! Tradicional no cenário cultural londrinense, este é o primeiro de três saraus que acontecerão em 2023 e que compõem o projeto de oficinas criativas “Àjòdún das Pretas: Mulheres, Olhares e Lugares”, contemplado pelo Programa Municipal de Incentivo à Cultura de Londrina, o Promic. Desta vez, o local de encontro é a Vila Cultural Alma Brasil (Rua Argentina, 693).

Produzido desde 2015, o projeto nasceu como Sarau das Pretas, mas, agora, se apresenta como Àjòdún, palavra que vem do Iorubá e significa reunião de pessoas para comemorar algo: neste caminho, a ideia é celebrar as mulheres pretas de nossa cidade, estado e país.

O início da programação fica por conta da DJ Nate Mônaco, que traz os embalos da black music. Em uma apresentação especial, o Coletivo de Ogãs AUETO fará um samba de caboclo para reverenciar a ancestralidade das pessoas pretas. E como samba nunca é demais, os bambas do Trinca do Samba garantem mais uma roda animada para fechar a noite.

Durante todo o sarau será realizada a “Feira do Àjòdún”, que contará com expositores locais, além do “Espaço Erê”, com atividades direcionadas para as crianças. Outra tradição do evento são os momentos de “microfone aberto”; um convite para a participação do público com intervenções artísticas, leituras de textos, declamação de poemas ou apresentação de rimas.

Esta edição homenageará a vida e obra de Alzira Rufino, escritora e ativista que atuou fortemente no Movimento Negro e de forma pioneira no Movimento de Mulheres Negras. Em 1990, Alzira fundou a Casa de Cultura da Mulher Negra, espaço que tem o objetivo de contribuir com o desenvolvimento profissional de mulheres negras e oferecer apoio às vítimas de violência doméstica, sexual e racismo.

O Àjòdún das Pretas marca também o mês de maio, em consideração ao 13 de maio, dia da abolição da escravatura, ocorrida em 1888. O evento busca também estimular a reflexão de que tal data não deve ser comemorada, pois trata-se de um dia de luta. A falsa abolição da escravatura levou o povo preto do Brasil a uma realidade de pobreza, marginalização e discriminação. Sem a verdadeira e necessária reparação histórica, a comunidade negra deve sublinhar essa data como um momento de denúncia do racismo que estrutura a sociedade brasileira.

O sarau, uma realização do Coletivo de Mulheres Luiza Mahin (LuMah), conta com a produção executiva de Álvaro Canholi, da PÁ! Artística e patrocínio do Prefeitura de Londrina, além do apoio da Vila Cultural Alma Brasil.

da assessoria