Estudo confirma que vacina da Pfizer é segura para crianças e adolescentes | D'Ponta News - Notícias do Paraná - Jornalismo sério para leitores exigentes!
Quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2024

Estudo confirma que vacina da Pfizer é segura para crianças e adolescentes

2023-05-22 às 13:43
Foto: REUTERS/Dado Ruvic

Uma ampla análise de dados de 3 milhões de pacientes pediátricos que receberam a vacina da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 concluiu que existem “evidências reais” da segurança do imunizante para esse público.

Os pesquisadores utilizaram três bases de dados que totalizavam 5,9 milhões de doses aplicadas em pessoas de 5 a 17 anos nos Estados Unidos entre 2021 e 2022.

O artigo foi publicado nesta segunda-feira (22) no Jama (Jornal da Associação Médica Americana).

Eles buscaram por 20 eventos adversos que poderiam ter relação com o imunizante, sendo estes:

• miocardite, pericardite ou co-ocorrência de miocardite e pericardite;
• encefalite ou encefalomielite;
• anafilaxia;
• tromboses comuns com trombocitopenia;
• convulsões;
• Paralisia de Bell;
• trombose venosa profunda;
• embolia pulmonar;
• coagulação intravascular disseminada;
• trombocitopenia imune;
• narcolepsia;
• apendicite;
• acidente vascular cerebral não hemorrágico;
• síndrome de Guillain-Barré;
• síndrome inflamatória multissistêmica em crianças;
• mielite transversa;
• trombose com trombocitopenia cerebral e abdominal (local incomum);
• doença de Kawasaki;
• derrame cerebral;
• infarto agudo do miocárdio.

Apenas casos de miocardite e pericardite atingiram o liminar para um sinal estatístico nos três bancos de dados, afirmaram os autores.

“Dos 153 casos de miocardite ou pericardite entre crianças de 12 a 17 anos, foi realizada revisão de prontuários para uma amostra de 37 casos cujos registros foram obtidos. Vinte e sete desses casos (73,0%) foram confirmados como verdadeiros casos de miocardite ou pericardite, dos quais 25 pacientes eram do sexo masculino e 19 foram internados com tempo médio de internação de 2,8 dias (mediana, 2 dias). O tempo médio desde a vacinação até a apresentação para atendimento de miocardite ou pericardite foi de 6,8 dias (mediana de 3 dias)”, relatam.

Não houve surpresa em relação a esses episódios, salientam os pesquisadores, ao dizer que “o sinal detectado para miocardite ou pericardite é consistente com o relatado em publicações revisadas por pares demonstrando um risco elevado de miocardite ou pericardite após vacinas de RNAm [RNA mensageiro], especialmente entre homens mais jovens de 12 a 29 anos.”

leia a matéria completa no R7