Unimed PG inicia vacinação contra gripe em colaboradores e cooperados | D'Ponta News - Notícias do Paraná - Jornalismo sério para leitores exigentes!
Quarta-feira, 28 de Fevereiro de 2024

Unimed PG inicia vacinação contra gripe em colaboradores e cooperados

2023-05-11 às 15:46

A Unimed Ponta Grossa iniciou a campanha de vacinação contra a influenza em colaboradores e cooperados, por meio do Serviço de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) e do Núcleo do Cooperado.

A iniciativa acontece todos os anos e reforça as ações institucionais relacionadas ao Pacto Nacional de Consciência Vacinal, da Comissão da Saúde do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), e que conta com o apoio da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

O cronograma de imunização elaborado pela cooperativa médica iniciou pelos colaboradores da sede administrativa e, de acordo com Simone Bisigo, coordenadora do SESMT, na campanha de vacinação de 2022, o percentual de adesão dos colaboradores foi de 92%, superior à média do Paraná divulgada pelo estado em 2022, que foi de 69%.

Para ela, o número representa preocupação com a saúde coletiva não somente por parte da cooperativa, ao oferecer as doses, como também por parte da consciência individual.

“As vacinas estimulam a produção de anticorpos que combatem agentes infecciosos como vírus e bactérias e evitam o adoecimento. A adesão dos nossos colaboradores é sempre além da adesão do público em geral. Trazer a vacina até a instituição facilita o acesso à vacinação, uma vez que o sistema público tem horários rígidos de atendimento e, em muitos momentos, a distância física das unidades de saúde inviabiliza o colaborador de chegar a tempo para se imunizar”, analisa.

Márcia Miró, do Núcleo de Gestão da Qualidade (NGQ) da cooperativa, se vacina todos os anos e acredita que isso representa também um ato de empatia e de cuidado com o próximo. “É uma forma de me proteger e proteger aqueles que amo. Nunca deixo de me vacinar e sempre garanto que meus pais e irmãs estejam imunizados. Acredito que ninguém gosta de ficar doente, ainda mais quando existe a possibilidade de imunização. Quanto à imunização dos colaboradores, vejo como vital para o bem-estar da Unimed, já que passamos a maior dos nossos dias todos juntos, é um ato de amor”.

A segurança e a confiabilidade nos processos de imunização são os principais motivos que levam Cristiano Santos, da área Administrativa, a estar com a vacinação em dia. “Mesmo que a gente venha a ter a doença, os sintomas são bem mais leves. A importância pra mim é justamente evitar a gravidade da doença. Sem vacina, a gente fica mais vulnerável às doenças mais graves e até mesmo sequelas”, comenta.

O segundo grupo a receber as doses serão os médicos cooperados. Entre 2021 e 2022, considerando médicos e respectivos dependentes, foram aplicadas cerca de 700 vacinas em cada ano. Segundo Rosemille Scarante, do Núcleo do Cooperado da Unimed Ponta Grossa, a imunização dos profissionais que estão sempre no contato direto com pacientes também contribui com o controle da contaminação. “É uma das medidas de prevenção para proteger contra a doença, complicações óbitos, além de contribuir para a redução da circulação do vírus na população”.

A programação da campanha da Unimed Ponta Grossa irá seguir com a aplicação nos colaboradores do Hospital Geral Unimed e Laboratório Unimed. Nesses casos, a imunização será por meio das doses da vacina da influenza fornecidas pelos órgãos municipais de saúde para que o gesto vacinal possa ser feito dentro das instituições.

Histórico

A invenção da vacina foi estimulada pela varíola, uma das doenças mais temidas durante o século XVIII. No Brasil, as vacinas foram trazidas pelo Marquês de Barbacena, em 1804. O Organização Mundial da Saúde (OMS), em 1956, patrocinou um projeto para erradicação da varíola mundialmente, fazendo com que, em quatro anos, a doença desaparecesse dos países industrializados. Além da defesa individual, a vacinação também tem impacto na proteção coletiva, pois quanto mais pessoas se vacinarem, menores são as chances de doenças erradicadas retornarem, menores são os índices de mortalidade e é possível reduzir o número de casos de doenças infecciosas.

da assessoria