Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

Criança de três anos morre por dengue no Paraná

2023-05-17 às 09:36
Foto: Agência Brasil/Arquivo

Um menino de apenas três anos de idade morreu vítima de dengue no Paraná. A criança era moradora de Foz do Iguaçu (PR), não apresentava comorbidades e morreu no dia 19/03. Os dados constam no boletim semanal divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), nesta terça-feira (16).

De acordo com o informe epidemiológico, foram registrados novos 8.299 casos de dengue e 13 óbitos – destes, quatro são de residentes de Londrina, três de Ibiporã, três de Foz do Iguaçu, um de Maringá, um de Marilena e um de Umuarama. Ao todo, são 54.083 confirmações e 42 mortes em decorrência da doença no Paraná.

Nos municípios abrangidos pela 2ª Regional de Saúde de Ponta Grossa foram confirmados 34 casos de dengue e nenhum óbito.

Boletim detalhado

Desde o início do período sazonal da doença, iniciado em 31 de julho de 2022, foram 239.372 notificações no Estado, sendo 94.170 ainda em investigação e 83.747 casos descartados. O boletim aponta ainda que dos 399 municípios do Paraná, 334 tiveram casos confirmados de dengue.

Dos novos óbitos registrados, predominam os idosos, em sua maioria do sexo feminino, com comorbidades, que ocorreram entre 12 de março e 26 de abril.

Os óbitos no município de Londrina são referentes a quatro mulheres de 44, 76, 86 e 90 anos, todas com comorbidades. Em Ibiporã, foram duas mulheres, uma com 84 anos e sem comorbidades, e outra de 92 anos, com comorbidades, além de um homem, de 55 anos, com comorbidades.

Em Foz do Iguaçu, morreram um homem e uma mulher de 66 e 76 anos, respectivamente, ambos com comorbidades, e uma criança de três anos, que não apresentava nenhuma comorbidade.

Nos demais municípios, os óbitos foram de uma mulher de 49 anos, sem comorbidades (Maringá), e de dois homens, ambos com comorbidades, um de 96 anos (Marilena) e de 74 anos (Umuarama).

“O Governo do Estado mantém o alerta e a vigilância apoiando as ações de combate e controle da dengue e chikungunya em todas as regiões e municípios, principalmente onde existem mais ocorrências e casos confirmados. Precisamos unir forças com a população para a eliminação dos criadouros do mosquito Aedes aegypti que, em sua maioria, estão nos quintais das casas”, alertou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

CHIKUNGUNYA E ZIKA – O mosquito também é responsável, além da dengue, pela transmissão da zika e chikungunya. Durante este período não houve confirmação de casos de zika. Já o panorama de chikungunya no Paraná revela 2.448 notificações e 449 casos confirmados da doença, sendo 324 autóctones e três óbitos.

Confira AQUI o boletim da dengue.

Com informações da AEN