Sexta-feira, 19 de Julho de 2024

D’P Entrevista: Cleber Mata – A imprensa livre é um radar da sociedade

2023-04-22 às 08:45
Jornalista Cleber Mata, secretário de Comunicação do Governo do Paraná (Foto: Divulgação)

Novo secretário estadual de Comunicação, Cleber Mata acredita que a imprensa serve como bússola para orientar a atuação dos governantes e planeja uma gestão marcada pela transparência e pela proximidade com a mídia e o público.

Por Michelle de Geus

Com a missão de coordenar a divulgação das atividades do Governo do Paraná e tornar o relacionamento entre o poder público e a imprensa ainda mais transparente, o jornalista Cleber Mata assumiu este ano o comando da Secretaria de Estado da Comunicação (SECOM). Formado pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas (SP), Mata é especialista em marketing político pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP) e mestrando em Comunicação Pública pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Em sua trajetória, ele acumulou grande experiência em gestão pública e campanhas políticas. Antes de assumir o comando da pasta no Paraná, Mata foi secretário de Comunicação do Estado de São Paulo na gestão João Doria e assessorou seis ex-governadores paulistas. O secretário acredita que a imprensa livre é um “radar da sociedade” e um instrumento poderoso para orientar a atuação dos governantes. Por isso, ele defende que essa relação deve sempre se basear na ética, no diálogo e no respeito. Ele afirma ainda que tem como objetivo fazer uma gestão ainda mais próxima dos empresários do setor e da população em geral, mostrando para o Brasil a beleza e a força do Paraná.

Você tem uma longa trajetória como secretário de Comunicação e coordenador de campanhas políticas no estado de São Paulo. O que pretende trazer para o Paraná de sua experiência em São Paulo?

Eu comecei a minha vida profissional na comunicação pública em 2006, no estado de São Paulo, lá no governo Cláudio Lembo. Depois trabalhei por quatro anos com o então governador José Serra e fui assessor de imprensa durante outros quatro anos do governador Geraldo Alckmin. Além disso, fui secretário-executivo de Comunicação do governador Alckmin por mais quatro anos. Então, no total, foram oito anos trabalhando com ele. Saí do governo em 2017 e no ano seguinte fui convidado para fazer parte da campanha do então candidato João Doria. Ele ganhou a eleição e me convidou para ser secretário e continuar trabalhando com ele. Nos últimos quatro anos, portanto, eu atuei como secretário de Comunicação do Governo de São Paulo, uma casa onde eu permaneci por 16 anos no total.

“O nosso desafio é melhorar aquilo já é bom e ficar ainda mais próximo dos empresários do setor e do público”

 

O que lhe motivou a aceitar o convite do governador Ratinho Júnior para assumir a Secretaria de Comunicação?

O que me motivou a aceitar o convite do governador Ratinho Júnior, em primeiro lugar, foi o diagnóstico de que o Paraná e os paranaenses – ou seja, o governo dele com a ajuda da população – fizeram a lição de casa. É um estado que avançou muito economicamente nos últimos quatro anos e mesmo assim é um estado ambientalmente sustentável. Em outras palavras, aqui você concilia desenvolvimento econômico com sustentabilidade ambiental. Além disso, é um estado belo e rico em todos os aspectos: na sua beleza cultural, na sua beleza gastronômica e, sobretudo, na sua beleza natural voltada ao turismo. Então, o que me motivou a aceitar o convite é poder trabalhar para um governador jovem e dinâmico, uma pessoa muito humilde e que ama o seu estado. O nosso desafio é melhorar aquilo já é bom e aperfeiçoar a performance da comunicação, ficando ainda mais próximo dos empresários do setor e do público.

“A Secretaria de Comunicação deve agir sempre com transparência, ouvindo as críticas da imprensa e fazendo um contraponto quando julgar necessário, mas sempre respeitando e defendendo o diálogo na sua essência. Essa é a chave para uma comunicação de sucesso.”

 

Na sua visão, quais são as principais funções de uma Secretaria de Comunicação no que se refere à relação do governo com os órgãos de imprensa e a população em geral?

Eu costumo dizer que a imprensa livre é um radar da sociedade. É um instrumento poderoso para orientar os governantes. Eu não tenho dúvida de que essa relação transparente com a imprensa do Paraná vai nos ajudar a conduzir o governo Ratinho Júnior para mais quatro anos de pleno êxito.

Como deve ser, na sua opinião, a atuação de uma secretaria de Comunicação diante de eventuais crises ou escândalos dentro de um governo?

A Secretaria de Comunicação deve agir sempre com transparência, ouvindo as críticas da imprensa e fazendo um contraponto quando julgar necessário, mas sempre respeitando e defendendo o diálogo na sua essência. Essa é a chave para uma comunicação de sucesso.

“Eu quero apresentar ao Brasil um estado que tem um povo trabalhador e ordeiro. Se a Amazônia é o pulmão do mundo, eu posso dizer que o Paraná é a cozinha do mundo. Daqui sai a maior quantidade de frangos produzidos no Brasil, tilápia, milho e soja. Em resumo, eu quero deixar a marca de que o Paraná é um estado que produz, que concilia meio ambiente com desenvolvimento sustentável”

 

Que mudanças ou estratégias você pretende implementar na comunicação do Governo do Estado nos próximos quatro anos?

Eu tenho pouco a falar sobre mudanças. Encontrei aqui a secretaria funcionando de modo harmonioso, através de profissionais competentes e dedicados. Por isso, tenho o maior respeito pelo meu antecessor, João Evaristo Debiasi. Porém, reconheço que sempre é possível melhorar. Eu quero estar ainda mais próximo da população, quero percorrer diversas regiões do estado ouvindo as principais demandas, e já comecei visitando Cascavel, Ponta Grossa, Londrina, Umuarama e Morretes. Quero fazer um “roadshow” pelo interior do Paraná, até porque eu acredito que quem ouve mais, erra menos. O lema da minha gestão é estar ainda mais próximo dos empresários de comunicação, e talvez essa seja uma das mudanças.

Ao final de sua gestão, como você pretende entregar a Secretaria da Comunicação? Que marca, enfim, gostaria de deixar durante a sua passagem pela pasta?

Eu quero apresentar ao Brasil um estado que tem um povo trabalhador e ordeiro. Se a Amazônia é o pulmão do mundo, eu posso dizer que o Paraná é a cozinha do mundo. Daqui sai a maior quantidade de frangos produzidos no Brasil, tilápia, milho e soja. Em resumo, eu quero deixar a marca de que o Paraná é um estado que produz, que concilia meio ambiente com desenvolvimento sustentável.

Conteúdo publicado originalmente na Revista D’Ponta #294 Março/Abril de 2023