Sexta-feira, 19 de Julho de 2024

Enio Verri anuncia redução na tarifa de energia; abatimento pode ser aplicado já em maio

2023-04-26 às 16:18

Durante evento realizado nesta quarta-feira (26) em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, o diretor brasileiro da Itaipu Binacional, Enio Verri, afirmou que existe uma expectativa de redução de 1% nas contas de energia dos brasileiros já para o mês de maio. O abatimento será proporcionado devido ao pagamento da última parcela da dívida da construção da usina. “Se Itaipu representasse 100% da energia produzida para o Brasil, cairia 20%”, pontuou.

A afirmação foi feita durante solenidade comemorativa aos 50 anos da assinatura do Tratado de Itaipu entre Brasil e Paraguai, documento considerado um marco da engenharia diplomática e referência em acordos binacionais. O acordo permite que o potencial hidrelétrico do rio Paraná seja aproveitado por ambos os países.

Em artigo publicado na terça-feira (25) em seu site, Verri relembrou a importância da Itaipu Binacional e destacou que “Brasil e o Paraguai só têm a ganhar com essa nova visão, que, no caso brasileiro, conta com respaldo nas diretrizes do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que reconstrói aquilo que parecia perdido para sempre: as estruturas do Estado e o respeito à democracia de fato”. Além disso, ele afirma que “sem o peso da dívida de sua construção, Itaipu vive uma nova fase, realizando muitos sonhos de brasileiros e paraguaios”.

“A realidade já está mudando rapidamente. A tarifa de Itaipu, que era de US$ 20,75 o quilowatt/hora (20,75 US$/kW), em 2022, caiu para 16,71 US$/kW. A redução de 19,5% foi decidida pelo Conselho de Administração no dia 17 de abril, na sede do Ministério de Minas e Energia (MME), em Brasília (DF), e em videoconferência com a sede da Itaipu em Assunção, no Paraguai. Isso significa que iremos pagar menos pela energia da binacional, sem que isso afete a qualidade da prestação de seus serviços, como o fornecimento de energia limpa e renovável, a manutenção de projetos socioambientais e os investimentos para o desenvolvimento sustentável”, publicou o diretor. Ele finaliza o artigo afirmando que “Queremos cada vez mais fazer com que o paranaense seja recompensado por uma obra gigantesca, que trouxe inúmeros benefícios aos dois países aos quais pertence, mas que ainda não é totalmente justa com o Estado que a abriga”.

O artigo pode ser lido na íntegra clicando aqui.

com informações do G1