Segunda-feira, 17 de Junho de 2024

Secretaria da Saúde reforça o tabagismo como doença crônica e incentiva tratamento

2023-05-31 às 13:05

No Dia Mundial sem Tabaco, lembrado nesta quarta-feira, 31 de Maio, a Secretaria da Saúde do Paraná reforça o tabagismo como doença crônica e incentiva o tratamento. “É um fator de risco para o desenvolvimento de enfermidades graves e mortes, totalmente evitável”, afirma o secretário Beto Preto. Ele enfatiza que as pessoas acometidas por essa enfermidade precisam buscar tratamento, que é ofertado pelo SUS, de forma gratuita. “O tabagismo é reconhecido como doença crônica e as organizações internacionais alertam para esse problema de saúde pública. Afeta quem fuma e aqueles que estão à sua volta”, afirma.

A intenção do Dia Mundial sem Tabaco, criado em 1987, é alertar a população sobre os malefícios causados ao organismo pelo uso do tabaco e seus derivados. Para este ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu como tema da campanha: Cultive Alimentos, Não Tabaco, sendo adaptado ao cenário brasileiro, “Precisamos de Comida, Não de Tabaco”.

O tabagismo é responsável por matar mais de oito milhões de pessoas no mundo a cada ano, além de causar impactos ecológicos, nas mudanças climáticas, influenciando diretamente no futuro da agricultura e da segurança alimentar. A campanha busca mobilizar a elaboração de políticas públicas de apoio direcionadas para culturas sustentáveis e o uso dos recursos naturais voltados para a saúde e não para a doença.

PARANÁ – As doenças e mortes relacionadas ao tabagismo confirmam os riscos desse hábito. No Paraná, de acordo com a última Pesquisa Nacional de Saúde (2019), a prevalência de fumantes com mais de 15 anos é de 14,6%, ou seja, mais de 1,7 milhão de pessoas são dependentes da nicotina.

Uma das estratégias utilizadas no Estado, com foco na redução dos índices de tabagismo e incentivo para que as pessoas procurem ajuda, é o Programa de Cessação do Tabagismo. O tratamento é gerido pelo Estado e disponibilizado nos municípios, com base no Protocolo Clínico do Ministério da Saúde.

De acordo com o programa, ofertado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o tempo de tratamento total preconizado é de 12 meses e envolve as etapas de avaliação, intervenção e manutenção da abstinência. Um levantamento da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), apontou que no ano passado 8.465 pessoas procuraram o tratamento.

TRATAMENTO – O tratamento consiste na abordagem de uma reestruturação cognitiva sobre emoções e comportamentos com associação ou não de medicamentos. O intuito é modificar a forma de interpretação do usuário. São programadas quatro sessões iniciais, preferencialmente semanais, com quatro principais conteúdos: Entender por que se fuma e como isso afeta a saúde, os primeiros dias sem fumar, como vencer os obstáculos para permanecer sem fumar e os benefícios obtidos após parar de fumar.

As pessoas em tratamento que necessitam da utilização de medicamentos têm à disposição três itens para auxiliar neste processo, o adesivo de nicotina, cloridrato de bupopriona e a goma de nicotina. Desde 2020, foram mais de 3,4 milhões de unidades distribuídas à população. No Estado, o programa está disponível em 969 estabelecimentos de saúde, em 291 municípios.

MORTES – Segundo estimativas da OMS, o fumo é responsável por 71% das mortes por câncer de pulmão, 42% das doenças respiratórias crônicas e aproximadamente 10% das doenças cardiovasculares, além de ser fator de risco para doenças transmissíveis, como a tuberculose.

O uso do tabaco, assim como de seus produtos derivados, como o cigarro, cigarro eletrônico ou dispositivo eletrônico para fumar, além de charuto, cachimbo, cigarro de palha, narguilé, entre outros, podem favorecer o desenvolvimento de várias enfermidades e tipos de cânceres.

da AEN