Domingo, 19 de Maio de 2024

Dia Nacional da Educação Infantil reflete direitos de aprendizagem das crianças

2022-08-25 às 12:02
Foto: Reprodução/Pixabay

O Dia Nacional da Educação Infantil, celebrado em 25 de agosto, foi instituído pela Lei Nº 12.602/2012, de autoria do então senador Cristovam Buarque. A escolha da data é uma homenagem ao nascimento Zilda Arns, médica brasileira e fundadora da Pastoral da Criança.

Irmã do arcebispo Dom Paulo Evaristo Arns, Zilda foi pediatra e sanitarista. Sua trajetória foi ligada à construção de projetos voltados para o desenvolvimento e proteção de crianças e adolescentes.

Importância 

Em artigo publicado no portal Nova Escola, a professora Paula Sestari destaca a importância da data, que oportuniza a reflexão e o planejamento de experiências para garantir os eixos estabelecidos pela Base Nacional Comum Curricular. Confira:

Trata-se de um período importante para toda a sociedade, já que a atenção das instâncias sociais e governamentais se direciona à infância – e atrelada a uma maior promoção de saúde e proteção aos pequenos está justamente a necessidade de garantir uma Educação de qualidade. […]

Nessa perspectiva, temos como grande marco nos últimos anos a consolidação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que busca unificar a concepção de infância, e estabelece o foco na criança em seus objetivos de aprendizagem e desenvolvimento específicos para cada grupo etário. Juntamente a tudo isso, torna-se fundamental a garantia dos direitos de aprendizagem preconizados nesse mesmo documento.

Assim, nós, professores, temos o compromisso ético de conduzir nosso fazer pedagógico orientados pelos direitos de Conviver, Brincar, Participar, Explorar, Expressar e Conhecer-se, para que as crianças tenham suas vozes ecoadas e suas identidades culturais e sociais devidamente respeitadas. A seguir, convido vocês a pensarem em ações que materializem cada um desses seis tópicos:

Conviver

Somos seres sociais – e a convivência com o outro impacta na modelação do nosso agir e do nosso pensar. Com isso, no cotidiano escolar, precisamos organizar momentos para interação entre os grupos etários, em brincadeiras nos espaços coletivos, e ainda em agrupamentos menores e com momentos de atenção individualizada.

Além disso, é importante que as crianças conheçam as pessoas que compõem a instituição, como as equipes administrativa, de limpeza, manutenção e alimentação, identificando seus nomes e mesmo seu valor como agentes de uma comunidade específica que é a escola.

Para além desse espaço, vale proporcionar vivências em que os pequenos, com apoio da família, compartilhem suas origens e cultura. Que tal um show de talentos de familiares em datas festivas? Ou propor pesquisas sobre a região de origem de cada um, realizando momentos de partilha de histórias dos avós ou vizinhos que moram há mais tempo no bairro?

Brincar

A brincadeira como linguagem e como eixo estruturante do currículo da Educação Infantil deve acontecer todos os dias, em todos os momentos, com qualidade e diversidade de espaços, tempos, materiais e agrupamentos.

Meninas e meninos precisam ter a oportunidade de desafiar-se para ampliar a imaginação, desenvolver a criatividade, interagir com outras crianças e adultos e trazer para o coletivo suas experiências. Lembrando que esse brincar está dissociado de brinquedos prontos e muito mais relacionado a explorar as potencialidades de materiais de largo alcance, recicláveis e elementos naturais em espaços externos.

Clique aqui e confira o artigo completo de autoria da professora Paula Sestari, publicado no portal Nova Escola