Quarta-feira, 22 de Maio de 2024

Educação deve ser prioridade dos eleitores nas eleições 2022, defende UNICEF

2022-08-19 às 11:43
Foto: Freepik

Após mais de dois anos de pandemia, o Brasil está diante de uma crise profunda e urgente: a retomada da Educação. Mais de 1,4 milhão de crianças e adolescentes de 5 a 17 anos estão fora da escola no País, e milhões voltaram às salas de aula com grandes defasagens de aprendizagem. Eles estão em risco de abandonar a escola.

O tema, no entanto, não está entre as preocupações dos eleitores. É o que revela um levantamento do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), realizado pela Timelens – consultoria brasileira focada em inteligência de dados. No primeiro semestre deste ano, apenas 4% das menções às eleições na internet citavam o tema ‘Educação’.

Sabendo da urgência de priorizar o tema no País, o UNICEF convoca a sociedade para que cada eleitor e eleitora Vote Pela Educação e exija ações concretas de candidatos e candidatas em resposta à crise educacional.

O levantamento realizado pela Timelens para o UNICEF analisou menções às Eleições 2022 nas redes sociais (Facebook, Twitter, YouTube e Instagram), no Google e em websites e blogs, incluindo portais de notícia, nos primeiros seis meses de 2022. Os resultados alertam que Educação não está entre as prioridades do debate eleitoral na internet. Somente 4% das menções às eleições na internet citavam Educação. A grande maioria girava em torno de outros temas factuais, com destaque para Superior Tribunal Federal – STF (27,8%), Urnas Eletrônicas (11,1%), Mensagens de Intolerância (9,4%) e Fake News (7%). Além de Educação, outros temas essenciais ficaram à margem: Saúde (2%), Emprego (1,6%) e Fome (0,7%).

“Os resultados acendem um alerta importante para a urgência de colocar a Educação em destaque no debate eleitoral”, defende Mônica Dias Pinto, chefe de Educação do UNICEF no Brasil. “Nos próximos anos, o País precisará de grandes esforços para se recuperar, econômica e socialmente, dos impactos da Covid-19 e voltar a avançar na garantia de direitos. Um presente e um futuro prósperos para todas as crianças e todos os adolescentes só se construirão com investimentos consistentes e estratégicos na educação. Neste momento, é fundamental que cada eleitor, cada eleitora #VotePelaEducação”, diz ela.

Para chamar a atenção da sociedade, o UNICEF lança a campanha #VotePelaEducação, destacando pontos fundamentais para que o País avance no direito à educação – e chamando a sociedade a se mobilizar e priorizar a Educação na hora do voto. Para colocar o tema em destaque, o UNICEF convida todas e todos para que entendam as prioridades para a educação do País.

Campanha #VotePelaEducação
Para ajudar eleitoras e eleitores a votar pela educação, o UNICEF apresenta nove temas que precisam fazer parte da agenda pública brasileira:

  1. #VotePelaEducação – Fora da Escola Não Pode!

No Brasil, mais de 1,4 milhão de crianças e adolescentes de 5 a 17 anos estão fora da escola, segundo a Pnad 2021. Para reverter esse cenário, é fundamental que o País invista em Busca Ativa Escolar, criando condições para que seja possível ir atrás de cada menina, cada menino que deixou a escola, entender as causas da exclusão, e tomar as medidas necessárias para que a criança ou adolescente possa voltar à escola e permanecer nela, aprendendo.

A experiência mostra que esforços como esse dão resultados. Desde o início da pandemia, mais de 115 mil crianças e adolescentes foram encontrados e voltaram para a escola graças à Busca Ativa Escolar – iniciativa do UNICEF e da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) para ajudar municípios e Estados a enfrentar a exclusão escolar.

  1. #VotePelaEducação – Pela retomada do direito à educação

Após dois anos de pandemia, o Brasil está diante de um desafio nunca antes visto: a recuperação das aprendizagens. Será necessário desenvolver políticas concretas voltadas a quem não conseguiu acompanhar as atividades previstas – ou aprendeu menos do que os colegas. Na América Latina e no Caribe, 80% das crianças ao final do ensino fundamental são agora incapazes de compreender um texto simples. Antes da pandemia eram 50 %. Não há dados consolidados sobre o Brasil.

Há que se retomar urgentemente as metas do Plano Nacional de Educação (PNE) por meio de processos participativos nas comunidades escolares e com os estudantes para que possam elaborar propostas pedagógicas adequadas, de longo prazo e consistentes, voltadas à retomada da aprendizagem e ao estabelecimento de trajetórias de sucesso escolar.

  1. #VotePelaEducação – Por uma educação antirracista, antissexista e inclusiva

Será preciso um olhar atento a cada criança e adolescente, e investimento de recursos financeiros e de formação inicial e continuada de docentes em práticas pedagógicas emancipadoras, antirracistas, antissexistas e inclusivas. Entre as prioridades, deve estar a plena implementação das leis 10.639/03 e 11.645/08. Em 2019, o número de crianças e adolescentes negros que deixaram a escola foi quase três vezes maior do que o de brancos (51% versus 19%).

Há que se investir recursos financeiros e de pessoal, também, na garantia das condições necessárias para a inclusão de crianças e adolescentes com deficiência em escolas regulares, incluindo investimento em atendimento educacional especializado (AEE), infraestrutura e formação de professores.

  1. #VotePelaEducação – Pela valorização de professoras(es) e profissionais da educação

Para que tais condições sejam possíveis, é fundamental valorizar professoras(es) e demais profissionais da educação, dialogando com elas e eles, investindo em sua formação inicial e continuada, as condições de trabalho, o apoio para saúde mental e a valorização salarial.

  1. #VotePelaEducação – Pela valorização da escola pública

A pandemia deixou ainda mais clara a importância da escola na vida de meninas e meninos. É urgente investir nas escolas e redes públicas para que tenham as ferramentas e infraestrutura necessárias para garantir a retomada do direito à educação.

Investir na escola e na educação pública é essencial não apenas para cada criança e adolescente – e adultos e idosos que não completaram a educação básica –, mas para o futuro do Brasil como um todo. A educação é um direito humano inquestionável e incondicional e colabora com o desenvolvimento sustentável, convivência social e a prosperidade. Portanto, investir em educação significa aumentar as chances de crescimento da economia, de gerar emprego e renda, reduzir desigualdades e aumentar a competitividade do País – ainda que sozinha a área não garanta isso, pois é necessária uma política econômica adequada, como prevê a Meta 8 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas.

  1. #VotePelaEducação – Por mais recursos para a educação pública

As propostas colocadas acima só são possíveis com financiamento público adequado. Nos próximos quatro anos, será fundamental recuperar investimentos afetados por cortes orçamentários e ampliar os recursos públicos para a educação básica pública (educação infantil, ensino fundamental, ensino médio, educação de jovens e adultos) e para a educação superior pública conforme aprovado no Plano Nacional de Educação (10% do PIB).

  1. #VotePelaEducação – Pela inclusão digital e educação conectada

Não se pode falar em uma educação preparada para os desafios do século XXI sem acesso de qualidade à internet. Serão necessários esforços para ampliar o acesso de todos ao conhecimento, o que, entre outras medidas, requer implementar a Lei da Conectividade (14.172/2021), garantindo o acesso à internet para estudantes, professores e escolas.

  1. #VotePelaEducação – Aprendizagem e trabalho decente para jovens

O Brasil tem hoje a maior geração de adolescentes e jovens da sua história. Além do investimento na educação básica, o País precisa investir em políticas que fomentem a transição positiva para o mundo do trabalho por meio da inclusão digital, da capacitação profissional e do acesso de adolescentes e jovens a oportunidades de trabalho decente e protegido, sem abandonar a educação.

  1. #VotePelaEducação – Pelos direitos de cada criança e adolescente no Brasil

Os direitos de crianças e adolescentes são indissociáveis e interligados, e precisam ser garantidos em conjunto. Estar na escola é também proteção contra a violência, segurança alimentar, oportunidade de socialização e espaço de exercício da participação social e da cidadania. Votar pela Educação é, portanto, votar de forma ampla pelos direitos de cada criança e cada adolescente no Brasil.

da UNICEF