Segunda-feira, 15 de Julho de 2024

Projeto GGPEL: A timidez é natural na infância, aponta estudo; veja como lidar com este comportamento das crianças

2023-05-15 às 14:33
Foto: Reprodução/Freepik

Afinal, as pessoas podem ser tímidas ou se sentir tímidas? De acordo com um novo estudo publicado recentemente na revista sobre desenvolvimento infantil da Society of Research in Child Development, podem ser ambas as opções. A análise mostrou que a timidez — seja como parte da personalidade da criança, seja como algo que ela sente quando precisa lidar com um grupo de estranhos — é uma experiência típica da infância. “A timidez é caracterizada pelo medo e nervosismo em novos cenários sociais ou ao ser o centro das atenções em alguma situação”, explicou a pesquisadora canadense Kristie Poole, da Universidade Brock, líder da pesquisa.

Para a análise, os pesquisadores reuniram 152 crianças, com idade entre 7 e 8 anos, em um laboratório e pediram para que elas fizessem um discurso sobre seu aniversário mais recente, que seria filmado e mostrado para outras crianças. Os pais dos pequenos relataram as tendências e níveis de timidez de seus filhos para o estudo, enquanto os pesquisadores acompanharam comportamentos que indicavam nervosismo, como desviar o olhar, aceleração dos batimentos (medida através de um eletrocardiograma) e o quão nervosas as crianças disseram estar, afirmou Kristie.

Timidez como personalidade x timidez como sentimento

O trabalho revelou que cerca de 10% das crianças demonstraram um alto nível de estresse enquanto faziam o discurso, assim como um padrão relativamente alto de timidez ao longo do tempo, segundo os pais. Com isso, a pesquisa trouxe evidências de que a timidez pode ser parte do temperamento dessas crianças. Em contrapartida, aproximadamente 25% dos participantes não foram descritos como tímidos pelos pais, mas demonstraram um nível mais alto de estresse social ao dar o discurso.

“É provável que a experiência da timidez em resposta a uma tarefa, como o discurso, é uma experiência relativamente comum e normativa em crianças dessa idade”, explicou a pesquisadora canadense, da Universidade Brock. “Para um grupo mais reduzido de crianças temperamentalmente tímidas, contudo, ser o centro das atenções pode ser estressante ao longo do tempo e em vários contextos”, acrescentou Kristie.

O estudo possui algumas limitações, como por exemplo o fato de que as crianças participantes eram em sua maioria brancas e da mesma realidade socioeconômica, pontuou Koraly Pérez-Edgar, diretora associada do Instituto de Pesquisa de Ciências Sociais e professora de psicologia na Universidade Estadual da Pensilvânia (EUA), não envolvida na pesquisa. “Precisamos de estudos maiores e mais diversos que possam nos ajudar a ver o desenvolvimento de grupos de crianças através das comunidades, e em números grandes o suficiente, para acompanhar como essas crianças se comportam ao longo do tempo”, opinou.

Como apoiar uma criança tímida

Segundo Erika Chappini, psicóloga de crianças e adolescentes na Johns Hopkins Children’s Center, em Baltimore (EUA), se a criança evita situações que podem ser proveitosas ou importantes para ela devido ao nervosismo, os pais devem agir. “Em vez de rotular a criança como tímida, descreva o que vê e normalize os sentimentos dela”, aconselhou.

Em casos de crianças que já costumam ser mais tímidas com frequência e daquelas que são extrovertidas ou introvertidas, mas que sintam uma timidez esporádica, é fundamental que os pais acolham o que os filhos estejam sentindo, ressalta Natália Morandi. “Exponha progressivamente seus filhos a algumas dessas situações de forma natural, leve e fluida. Pois uma vez que você reforça recusas de evitar determinados contextos, futuramente pode ser mais difícil que as crianças se abram a essas situações, o que pode acabar enrijecendo tais comportamentos evitativos”, diz a psicóloga. Os pais também devem demonstrar confiança nas capacidades das crianças, estimular os filhos a participarem e a se exporem em grupos menores, pois assim eles podem se sentir mais tranquilos e confiantes.

Leia a matéria completa da Revista Crescer