Terça-feira, 16 de Julho de 2024

D’P Cultura: Milena Ágata – Em todo lugar cabe arte

2023-04-23 às 15:42

Com mais de 150 trabalhos no currículo, a muralista ponta-grossense Milena Ágata se destaca na arte de criar beleza em paredes de ambientes domésticos e comerciais. Referência em muralismo na cidade, a artista também ministra um curso voltado àqueles que desejam deixar a sua marca nas paredes e ganhar dinheiro com isso.

Por Michelle de Geus

Tintas, pincéis e muita inspiração são os companheiros inseparáveis da muralista ponta-grossense Milena Ágata. Com a sua criatividade e talento, ela transforma paredes em verdadeiras obras de arte. A cada nova pincelada, surgem flores, animais, frases e tudo o que a sua imaginação permitir e o cliente desejar. O resultado são ambientes completamente transformados, altamente personalizados, cheios de cor e vida. Aos 24 anos e com mais de 150 trabalhos no currículo, Milena desponta como uma das artistas mais promissoras desse segmento na região.

A artista conta que lidar com tinta já fazia parte de sua vida desde pequena e que sempre gostou de artesanato, decoração, trabalho manual, e reforma e transformação de ambientes. “Desde criança eu procurava passar alguma mensagem através da arte, já que eu não tinha o hábito de me expressar verbalmente”, conta. No ano de 2018, ela já trabalhava com pinturas menores em quadrinhos decorativos, placas e canecas quando viu na internet algumas imagens de paredes pretas de lousa com frases em giz e se interessou pelo assunto. “Como na época ainda não havia muita gente fazendo esse tipo de trabalho, isso despertou em mim o interesse por pintar em paredes. Além de deixar os espaços mais aconchegantes e bonitos, a pintura em parede acaba tem maior no ambiente e na própria vida das pessoas”, recorda.

Hoje a jovem artista trabalha com muralismo em ambientes internos e externos, sejam eles residenciais ou comerciais. “O poder de transformação da pintura nos lugares é o que mais que encanta no meu trabalho. Costumo dizer que em todo lugar cabe arte, desde um muro que parece sem graça até a empena [parte superior das fachadas laterais de um edifício, geralmente sem janelas ou portas] de um prédio”, afirma, revelando que os desenhos florais são os seus preferidos, mas que também recebe muitos pedidos com temáticas infantis e “lettering” (arte com frases, na qual são usadas letras desenhadas e estilizadas).

“Além de deixar os espaços mais aconchegantes e bonitos, a pintura em parede tem um impacto maior no ambiente e na própria vida das pessoas”

Um pouco de si e um pouco dos outros

Apesar de fazer pinturas com várias temáticas, com o tempo Milena foi criando um traço e estilo próprios, que faz questão de deixar transparecer a cada novo trabalho. “Eu deixo um pouco de mim em cada parede que pinto, já que sempre tive muita dificuldade de me expressar com palavras. No entanto, é muito importante lembrar que a arte faz parte de mim, mas eu não sou ela”, pondera. Como ela trabalha com diferentes tipos de público, Milena observa que é preciso entender qual é a necessidade de cada cliente, quem vai ver aquela obra e qual é a mensagem que a arte em questão deve passar, sempre respeitando o gosto pessoal do cliente.

Com pinturas tão variadas e nos espaços mais diversos, a muralista comenta que a inspiração para um trabalho pode vir de diferentes fontes. “Por trabalhar com arte, eu consigo buscar referências em diversas manifestações artísticas, como filmes, livros e músicas, por exemplo”, cita. “Gosto de observar a própria natureza para passar isso nas minhas criações, principalmente aquelas com temas florais, e o ambiente também influi muito no que eu vou criar para aquele espaço”, acrescenta.

Muralista autodidata

Apesar de ter trabalhado e estudado em algumas áreas que envolvem arte e criação, Milena se define como autodidata. “Quando eu comecei, testava tudo em casa antes de fazer os trabalhos. A cada parede que eu fazia, eu tentava melhorar o que não tinha ficado muito legal na anterior, e assim é até hoje”, afirma, ressaltando que é muito curiosa e que procura estar sempre estudando novas técnicas para aperfeiçoar a sua arte. “Sempre há alguma coisa nova para aprender. Quando olho para trás, vejo quanta coisa eu aprendi, mas sei que sempre posso melhorar”, observa.

Para se aprimorar a cada nova pintura, a muralista também se inspira no trabalho de Eduardo Kobra (@kobrastreetart), artista de rua responsável por murais gigantescos e cheios de significado em todo o mundo; Pri Barbosa (@prii_barbosa), muralista e ilustradora, que produz um trabalho mais feminino e marcado pela sensibilidade; Filipe Grimaldi (@Filipegrimaldi), inspiração no desenho de letras; e Lanó (@lano_art). “O contato com outros artistas que também trabalham com arte em parede é essencial, pois um acaba ajudando e aprendendo com o outro”, comenta.

“Para mim, sucesso é ver que o meu trabalho fez a diferença no espaço de algum cliente ou que alguém fica mais feliz quando olha para uma pintura minha”

Valor intangível

Milena não revela o valor cobrado para cada trabalho e justifica que é muito difícil colocar preço em uma obra artística, pois o valor vai muito além do material e das horas que levou para ser feito. “O valor da arte é intangível e carrega o tempo de estudo e de carreira do artista, bem como a contribuição daquela arte para o mundo ou para o espaço ao qual ela pertencerá. Esse valor é definido pelo artista levando em consideração o valor artístico, social e histórico da obra e de sua própria carreira”, diz.

Mas ela adianta que as informações de maior importância para montar um orçamento são as medidas da parede e a superfície dela (se é lisa ou com textura), o espaço (se é interno ou externo) e a complexidade da arte. “O trabalho pode ser apenas algumas folhagens pontuais ou uma parede toda preenchida com 15 cores diferentes. Então, é importante saber o tempo que eu vou levar para fazer aquele trabalho, já que a minha hora-trabalho também é levada em consideração no orçamento”, explica.

Casa de ferreiro, espeto de pau

Considerando que Milena vive de embelezar os espaços dos outros, como será que é a casa dela? Repleta de criações, certo? Bem, não exatamente. “Em todas as casas onde morei e na casa dos meus pais sempre teve pelo menos uma parede pintada, sim. Mas, como eu fico muito envolvida com as pinturas dos clientes, não tenho tempo de pensar em algo para a minha casa, e eu sempre fico muito em dúvida sobre o que fazer”, conta, confessando que gostaria que a sua casa fosse um pouco mais colorida. “É muito verdade quando dizem: em casa de ferreiro, o espeto é de pau”, brinca.

Compartilhando aprendizados

Além de divulgar os seus trabalhos de arte em parede, Milena usa o seu perfil nas redes sociais para compartilhar dicas e tirar dúvidas dos seguidores. Em 2022, ela lançou o curso “Arte em Parede” para ajudar quem está começando agora ou que gostaria de começar, mas não sabe como. Nele a artista explica como transformar o hobby em profissão, como fazer o rascunho de um desenho, como passar ele para a parede, quais materiais usar, como se posicionar como artista, como apresentar o projeto para o cliente, como montar orçamento, quanto cobrar e como divulgar o trabalho. O curso é dividido em dez módulos e novas turmas serão abertas em junho. “É um curso bem completo, do zero ao profissional, tanto para quem já tem uma base quanto para quem nunca pegou em um pincel na vida. Então, alguém que nunca pintou consegue sair do curso com uma base muito boa para começar a fechar os seus primeiros trabalhos e com um investimento em materiais consideravelmente pequeno”, detalha.

Uma dica que ela faz questão de compartilhar com quem está começando é comprar tinta acrílica branca; corantes nas cores primárias, pois a partir do azul, do amarelo e do vermelho é possível fazer muitas cores; e alguns pincéis de tamanhos variados. “Todo mundo tem uma parede livre em casa, ou você pode testar na casa de algum parente para começar a se familiarizar com a técnica. Depois, quando sentir segurança em fazer isso na casa de algum cliente, pode divulgar nas redes sociais”, ensina, acrescentado que atualmente metade de seus clientes vem das redes sociais e a outra metade através de indicações. “O meu conselho para quem quer começar é nunca parar de aprender e de estudar, fazer boas amizades com os colegas de profissão e usar a arte como ferramenta de transformação na vida das pessoas.”

“O poder de transformação da pintura nos lugares é o que mais que encanta no meu trabalho. Eu costumo dizer que em todo lugar cabe arte”

Definição de sucesso

Para Milena, a definição de sucesso é algo muito particular para casa pessoa. “Para mim, é ver que o meu trabalho fez a diferença no espaço de algum cliente ou que alguém fica mais feliz sempre que olha para uma pintura minha”, define, enfatizando que uma pintura em parede pode fazer a pessoa se sentir mais acolhida, entusiasmada ou reflexiva, e que o seu objetivo é provocar esses sentimentos nas pessoas. “Trabalhar com arte é despertar sensações, e tocar as pessoas através da arte me deixa muito realizada. Fazer elas refletirem sobre o espaço onde vivem, que frequentam, que ocupam ou onde consomem, a partir das sensações e mensagens que uma arte passa, acho que isso é sucesso para mim”, conclui.

Clique aqui e navegue pelo Instagram de Milena Ágata.

Conteúdo publicado originalmente na Revista D’Ponta #294 Março/Abril de 2023