Sábado, 13 de Julho de 2024

Encenações e palestras remetem o cristão à reflexão sobre o calvário de Jesus

2024-03-26 às 18:21
Foto: Arquivo/AssCom Diocese de Ponta Grossa

A Semana Santa é um momento sagrado para os cristãos. Nela se comemoram os mistérios da salvação a partir da recordação da última semana da vida de Jesus Cristo. Para bem celebrá-la, as igrejas realizam o Tríduo Pascal, que começa na Quinta-Feira Santa, passando pela Sexta-Feira Santa da Paixão e, tendo como ponto de chegada, o Sábado Santo. A Semana, como todo o tempo de Quaresma, é o momento propício para conversão. E é sobre conversão que vai falar uma encenação marcada para hoje (26), às 19h30, na Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, no Núcleo Santa Paula, Bairro Contorno.

Prevista na intensa programação deste ano conduzida pelos Arautos do Evangelho, a noite de hoje inicia com a recitação do terço, com a presença da imagem do Imaculado Coração de Maria, às 19 horas. Às 19h30, a peça teatral vai contar a história de um homem que comia carne na Sexta-Feira Santa e cometia muitos outros pecados. Ele faz uma má confissão cheia de orgulho, sem nenhum arrependimento. Eis que recebe como penitência encher um barril, coisa que qualquer criança faria, mas, ele não consegue”, detalha padre Mateus Taneguti, convidando a todos para acompanharem essa emocionante passagem.

Na quarta-feira, na Capela São Paulo Apóstolo, dos Arautos do Evangelho, em Uvaranas, uma palestra após a missa das 19 horas, abordará a vida de Santo Niño de la Guardia, um menino espanhol que foi martirizado. São momentos de introspecção, oração que “nos anima a caminhar como discípulos de Jesus que se faz servo, que abraça as nossas cruzes e sofrimentos e é a luz da vida ressuscitada, no caminho da fé”, explica o padre Ademir da Guia Santos.

Tríduo

O Tríduo Pascal é uma única celebração em três atos: Missa do Lava Pés (quinta-feira), Celebração da Paixão de Cristo (sexta-feira) e Vigília Pascal (sábado). Começa na quinta e segue até sábado. “Por isso a importância de participar destes três atos de Jesus. Se não, creio que fica incompleto”, acrescenta o padre. Na Quinta Feira Santa, de acordo com a realidade de cada Diocese, é realizada uma celebração eucarística onde é feita a consagração do óleo do Crisma e a bênção do óleo dos catecúmenos e dos enfermos, que serão usados durante o ano de 2024.

“Nesta celebração, todo o clero junto ao bispo faz a renovação das promessas sacerdotais. Em nossa Diocese é feita na parte da manhã, às 8h30, na Catedral Sant’Ana. A bênção do óleo dos enfermos e do óleo dos catecúmenos e a consagração do Crisma são feitas normalmente pelo bispo na quinta-feira da Semana Santa, na missa própria. Esta missa, que o bispo concelebra com o seu presbitério, é sinal de comunhão dos presbíteros com o seu bispo. Convém, portanto, que todos os presbíteros, tanto quanto possível, participem dela, e nela comunguem sob as duas espécies. Na homilia, o bispo exorta os seus presbíteros a serem fiéis aos seus cargos e convida-os a renovarem publicamente as promessas sacerdotais.

Lava-pés

As celebrações do Tríduo Pascal, que começam com a missa da Quinta-Feira Santa com a Instituição da Eucaristia, o nascimento do sacerdócio ministerial, e o gesto do amor que se faz doação e serviço, no lava-pés. “Em cada missa, Jesus continua se oferecendo e nos amando doando a Sua vida por nós e para nós. Nesta celebração, o presidente da celebração eucarística lava os pés de algumas pessoas escolhidas pela comunidade, em muitos casos, de acordo com a temática da Campanha da Fraternidade.

Ao final, acontece a Transladação do Santíssimo Sacramento com a reserva eucarística, haja visto, que somos convidados à vigília orante e também para termos as espécies do pão consagrado para a celebração de Sexta-Feira da Paixão de Cristo, quando não há missa, há somente uma celebração com a distribuição das hóstias consagradas”, detalha padre Ademir.

da assessoria