Terça-feira, 16 de Julho de 2024

Padre Joel Nalepa destaca a importância da espiritualidade e do equilíbrio na sociedade

2023-04-21 às 16:13

Em entrevista ao programa Manhã Total, apresentado por João Barbiero, na Rádio Lagoa Dourada FM (105,9 para Ponta Grossa e região e 90,9 para Telêmaco Borba), nesta sexta-feira (21), o padre Joel Nalepa falou sobre a importância do respeito. Já no início da entrevista ele comentou sobre a presença da espiritualidade na vida. “Nós deixamos de lado essa dimensão. Precisamos entender que quando falamos em espiritualidade não estamos falando apenas do exercício da religião ou de uma prática de fé, mas de uma dimensão humana. Nós temos essa necessidade de buscar um ser superior, sua origem, razão da existência, e a espiritualidade é esse anseio de buscar algo a mais. Muitas vezes, na espiritualidade, deixamos a desejar”, conta.

Já adentrando na questão do respeito, Nalepa afirma que “precisamos entender que o equilíbrio faz sentido na fé. Um rabino uma vez falou ‘conversar com quem é fanático não dá’. Quem é extremista nessa questão de fé é intolerante. Viver a fé e nossa espiritualidade é importante quando entendemos e conseguimos viver com equilíbrio, sem acharmos que somos melhores ou maiores do que outros ou, que em nome de uma fé, podemos agredir, difamar ou faltar com o respeito com qualquer pessoa que seja. Respeitar o outro é a base fundamental para todos”, afirma. Questionado sobre como fazer com que os jovens aceitem e reconheçam a religião de outras pessoas, o padre acredita que valores e princípios descobertos pela juventude fazem parte da vida. “Quem não foi rebelde um dia quando viveu sua juventude e tentou se emancipar daquilo que foi dito? Há uma fase da vida em que a gente pensa que somos autossuficientes. Nesse sentido, acompanhamento, presença, respeito e devida ajuda é fundamental. Impor não resolve”, detalha Nalepa.

Ensino religioso nas escolas

O padre crê que o assunto é complexo, mas considera que dizer que a escola não é um local para cultura religiosa ou para abrir horizontes é um equívoco. “A questão deste tempo em que estamos vivendo, com todo o acesso à informação que temos hoje, é que é preciso oferecer respaldo para quem está no processo de busca de informação para que sejam dadas no sentido de abrir horizontes e mostrar que precisamos ter o respeito e o bom senso. Não faz sentido dizer que por uma opção religiosa falamos de Deus e nós odiamos e matamos. Qual é o sentido disso? Se uma religião nos leva a isso, não podemos entender isso como uma opção de fé” reflete.

Nalepa complementa que a escala de valores precisa ser redefinida para que a sociedade possa evoluir. “Eu falo de fé, Igreja e doutrina e preciso me posicionar a partir desse lugar para transmitir as verdades que entendemos como importantes. Quando eu falo de Jesus Cristo, o que ele ensinou? A implantação do Reino, que se configura pela prática da Justiça, do amor, da paz, da fraternidade, do amor da vida. Esses valores não são relativos, precisam ser acolhidos como absolutos. Essa escala de valores nos ajuda a entender que na sociedade nós precisamos construir a vida a partir desses valores”, afirma. “Ser sal e luz do mundo é fora do tempo, é no dia a dia. Normalmente, a gente pensa sou honesto aqui, mas ali fora é cada um por si. A gente precisa questionar e resgatar esses princípios que são básicos para nós”, completa.

Adolescentes

“Quais são as referências e lideranças que o mundo oferece hoje para os jovens? Parece que nós não temos lideranças que, de fato, a juventude possa falar ‘eu me espelho nesse, é assim que eu quero ser’, questiona o padre ao ser perguntado sobre o tratamento com jovens. “Muitos se espelham naquilo que não é bom e a sociedade vai adoecendo cada vez mais. A falta de referências perto de nós, mas também em um plano mais global, parece ser um problema nos dias de hoje”, pontua.

“O princípio do respeito ao outro sempre precisa prevalecer. Se vai fazer mal para alguém, é melhor não falar, não dizer, principalmente quando a gente usa palavras ou frases de duplo sentido que a gente sabe o que quer dizer”, afirmou após ser questionado sobre como comentários maldosos podem prejudicar uma pessoa. Ainda falando sobre comunicação, Nalepa comentou sobre a internet. “Com essa possibilidade de fazer o mal, é ruim, não edifica. Nossas escolhas precisam ser trabalhadas para que possamos usar de uma forma adequada e de modo que possamos fazer o bem para nós e para os outros”, pontua.

Ao fim da entrevista, o padre afirma que é necessário “restabelecer afetos”. “Vivemos em uma sociedade que cultiva a cultura do ódio, da violência, da vingança, mas nós esquecemos de trabalhar essa questão do afeto. O afeto não é só compreensão, mas dar oportunidade para o outro falar e se expressar. Quando sentamos e ouvimos uma pessoa, eu não entendo só o problema dela, compreendi a pessoa. E aí o relacionamento e o modo de tratar muda. Nós gostamos de dizer muito, mas o ouvir e compreender é mais difícil. Até na orientação espiritual e humana, um dos princípios para que possamos trabalhar e ajudar o outro é treinar a escuta”, finaliza.

Confira abaixo o Programa Manhã Total na íntegra: